Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Frota chinesa de 650 navios é um grande pesadelo para Marinha dos EUA, segundo mídia

Subestimada por muitos, a frota chinesa conta com um número surpreendente de embarcações, o que deveria obrigar os EUA a reconsiderar sua estratégia marítima no Pacífico.


Sputnik

Segundo a inteligência naval dos EUA, a Marinha do Exército Popular de Libertação possuirá entre 313 e 342 navios militares até 2020.


Navio da Marinha chinesa Qiandaohu e fragata Yiyang
Navios da Marinha da China © AFP 2018 / Adam Warzawa

"As forças armadas da China compreendem três grandes organizações, cada uma com uma subcomponente marítima que já é a maior do mundo desse tipo pelo seu número de navios", escreveu o professor do Colégio Naval dos EUA, Andrew Erickson.

Além da Marinha do Exército Popular de Libertação, as organizações marítimas de Pequim contam com a Guarda Costeira chinesa e a Milícia Naval das Forças Armadas Populares, segundo a revista The National Interest.

Dessa maneira, Pequim conta com suas enormes segunda e terceira forças navais em operações na chamada zona cinzenta para reforçar suas pretensões de soberania disputadas nos mares adjacentes, Amarelo, do Leste e do Sul da China, ressalta Erickson.

Além disso, a segunda força naval da China, a Guarda Costeira, é a maior do mundo, com mais embarcações que todos os países ao seu redor juntos. Ou seja, a Guarda Costeira possui 225 navios de mais de 500 toneladas capazes de operar em alto mar e outros 1.050 confinados às águas mais próximas, totalizando 1.275.

As novas embarcações da Guarda Costeira são muito mais sofisticadas do que os navios que elas substituem. Com isso a China já substituiu seus grandes navios de patrulha antigos e menos capazes, segundo Erickson.

Já a Milícia Naval da China também cresceu e se modernizou, além de ter estado a desenvolvê-la contando com mais unidades profissionais, militarizadas, bem remuneradas, incluindo recrutas, tripulando 84 grandes navios.

Todas as forças chinesas combinadas contam com aproximadamente 650 grandes navios com capacidades militares, modernos e com pessoal bem preparado.

Apesar de os EUA possuírem um número de embarcações semelhante ao da China, Erickson explica que os números são significativamente importantes quando há uma constante presença e influência nos mares de vital importância, algo que a China consegue realizar, ressaltando ainda que até mesmo o navio mais avançado não pode estar em mais de um lugar simultaneamente, que é o caso dos EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas