Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Hezbollah planejou ataque surpresa para 'causar terremoto' em Israel, diz chefe militar

O chefe das Forças de Defesa de Israel (FDI), Gadi Eisenkot, afirmou que o Hezbollah planejou atacar o Estado judeu, depois que o xeque Naim Qassem declarou à imprensa que o grupo militar libanês seria capaz de atacar qualquer ponto de Israel com seus mísseis.


Sputnik

Segundo Eisenkot, o Hezbollah planejava usar seus túneis subterrâneos de ataque para invadir e abalar Israel, em uma operação surpresa, enviando de "1.000 a 1.500 combatentes para o nosso lado".


Militante do Hezbollah na Torre de Vigilância
Membro do Hezbollah © AP Photo / Bilal Hussein

Ele alegou que o Hezbollah também considerou a possibilidade de "um enorme bombardeio de artilharia das bases das FDI" como um possível meio para encobrir sua invasão. Além disso, o grupo militante supostamente planejava assumir o controle de "um pedaço do território israelense e mantê-lo por semanas".

"Eles disseram que isso é algo por que Israel nunca passou desde a sua fundação, e que isso será uma conquista que vai quebrar a capacidade do Estado de Israel de atacar dentro do Líbano, desequilibrará Israel e causará um terremoto na sociedade israelense", enfatizou.

A declaração foi expressa depois que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou no final de dezembro a conclusão da operação Northern Shield (Escudo do Norte) para destruir os túneis do Hezbollah que entravam dentro do território israelense.

Em um desenvolvimento separado naquele mês, o xeque Naim Qassem, o segundo no comando do Hezbollah, foi citado pelo jornal iraniano al-Vefagh declarando que os mísseis servem para impedir Israel de iniciar outra guerra contra o Líbano, expondo a "frente interna israelense".

As relações entre o Líbano e Israel têm permanecido tensas por muitas décadas e as tensões aumentaram recentemente em meio às suspeitas israelenses de que o Hezbollah estava sendo usado pelo Irã para travar uma guerra contra Israel.

Israel e o Hezbollah entraram em confronto em 2006, com forças israelenses invadindo o Líbano depois que o Hezbollah sequestrou dois soldados israelenses em um ataque na fronteira. O longo conflito, que durou 34 dias e ceifou a vida de mais de 1.300 pessoas, foi interrompido por um cessar-fogo mediado pela ONU.

Comentários

Postagens mais visitadas