Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Imagens expõem entrada de destróier dos EUA com mísseis de cruzeiro no mar Báltico

Hoje (10), destróier dos EUA USS Gravely armado com mísseis de cruzeiro Tomahawk entrou no mar Báltico.


Sputnik

Em 10 de janeiro, o destróier USS Gravely passou pelos estreitos dinamarqueses (os três canais que ligam o mar Báltico ao mar do Norte) e entrou no mar Báltico, informou o portal do monetariamente de navegação. 


USS Gravely | Reprodução

O destróier USS Gravely conta com sistema de lançamento de mísseis Aegis, e pode transportar até 56 mísseis Tomahawk que são capazes de alcançar alvos a até 1.600 km.

Anteriormente, a Marinha dos EUA publicou no Twitter que USS Gravely está passando pelo mar do Norte.

Em junho de 2016, o destróier norte-americano USS Gravely se aproximou perigosamente do navio-patrulha russo Yaroslav Mudry a uns 60 ou 70 metros do seu flanco esquerdo, cruzando a trajetória do Yaroslav Mudry a uma distância perigosa de 180 metros à frente do mesmo. As autoridades russas consideraram as ações da Marinha dos EUA como uma provocação.

Nos últimos meses, os EUA e a OTAN expandiram presença no Norte da Europa e na Europa Oriental, instalando tropas, aviões e navios de guerra e aumentaram o número de exercícios no âmbito das tensões com a Rússia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas