Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Imagens flagram caderno de Bolton com frase: '5 mil tropas para a Colômbia'

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, escreveu em seu caderno "5 mil tropas para a Colômbia" durante a entrevista coletiva onde a Casa Branca anunciou sanções contra a companhia estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA).


EFE

Washington - Em uma ampliação de fotografias tiradas por vários meios de comunicação durante a entrevista, duas inscrições podem ser vistas no caderno de Bolton: a primeira diz "Afeganistão, bem-vindas as negociações" de paz com os talibãs, enquanto a segunda diz "5 mil tropas para a Colômbia".


Resultado de imagem para pdvsa bolton
John Bolton e a anotação sobre envio de tropas dos EUA para a Colômbia | Reprodução

Perguntada pela Agência Efe, a Casa Branca não deu explicações sobre o assunto.

A Colômbia é um dos principais aliados dos EUA na América Latina e seu governo, como o de Donald Trump, reconheceu como presidente legítimo da Venezuela o autoproclamado Juan Guaidó.

Embora Bolton não tenha feito nenhuma menção durante a entrevista sobre esse hipotético envio de tropas para a Colômbia, que faz fronteira com a Venezuela, pediu aos militares venezuelanos que apoiem Guaidó.

"Pedimos aos militares e forças de segurança venezuelanas que aceitem a transição do poder pacífico, democrático e constitucional", disse Bolton, que falou ao lado do secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, que detalhou as sanções contra a PDVSA.

Desde que Guaidó se proclamou na semana passada presidente, os EUA aumentaram sua pressão contra o governo de Nicolás Maduro para que deixe o poder.

As sanções afetam US$ 7 bilhões em ativos da PDVSA nos Estados Unidos e, de acordo com o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, provocarão outros US$ 11 bilhões em perdas para a petrolífera ao longo do ano.

Mnuchin, por sua vez, explicou que "com efeito imediato, em qualquer compra de petróleo venezuelano, o dinheiro terá que ir para contas bloqueadas".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas