Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Índia moderniza sua força naval com uma força mortal de submarinos com mísseis nucleares

Recentemente, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, anunciou que o primeiro submarino nuclear de produção nacional, com o nome de Arihant, completou sua primeira patrulha de dissuasão.


Sputnik

O Arihant, cujo nome significa "Destruidor de Inimigos", utiliza um reator de água leve pressurizada a urânio para produzir 83 megawatts de eletricidade, permitindo ao submarino realizar missões debaixo d'água por meses. Sua velocidade pode atingir os 24 nós (45 km/h).


Imagem relacionada
INS Arihant

Mais importante que o sistema de propulsão do submarino, ele contém presumivelmente quatro tubos de lançamento vertical (VLS) com até uma dúzia de mísseis nucleares de curto alcance K-15 Sagarika, com um alcance de aproximadamente 700 quilômetros de distância.

O míssil K-15 Sagarika é destinado justamente a equipar os primeiros submarinos nacionais da Índia, da classe Arihant, e foi projetado para ser lançado debaixo d'água e aniquilar cidades e bases militares inimigas.

Este submarino indiano é o programa de defesa mais caro do país, originado a partir do programa Embarcação Tática Avançada, ressaltando que parcialmente o submarino Arihant foi baseado no submarino russo de ataque da classe Akula, um dos mais silenciosos da Marinha russa, segundo a revista The National Interest.

A grande diferença relacionada à Marinha da Índia é o fato de que, ao invés de desenvolver um submarino para caçar navios e submarinos inimigos, o centro de pesquisa e desenvolvimento indiano queria desenvolver um submarino dotado de mísseis nucleares de lançamento submarino.

O Arihant foi lançado à água em 2009, acontecimento que foi considerado "histórico" pelo chefe do governo, já que apenas outros cinco países haviam produzido submarinos nucleares. O submarino de 6.500 toneladas pode acomodar uma centena de marinheiros, além de permanecer imergido por um longo período de tempo, elevando sua capacidade de permanecer indetectável.

Entretanto, o submarino indiano apresentou algumas falhas durante seus testes e, mesmo que esteja pronto, ainda precisará passar por programas de aperfeiçoamento até ficar preparado para uma missão real.

A Marinha indiana está interessada em construir mais dois a quatro submarinos da classe Arihant, porém com configurações crescentes, recebendo mísseis K-5, que possuem um alcance aproximado de 4.900 km.

Além disso, a Índia pretende construir submarinos avançados de mísseis nucleares S5, com deslocamento de 15.000 toneladas e armados com 26 tubos lançadores capazes de disparar mísseis de ogivas múltiplas K-6, que possuem um alcance de 6.000 km.

Perante esse fato, a Índia demonstra sua evolução tecnológica, já que, mesmo com erros, o INS Arihant é um marco na tecnologia naval e bélica do país. Porém, pode se tornar um grande perigo para as regiões ao redor, como o Paquistão, por exemplo. Além disso, há rumores de que a China poderia exportar submarinos e tecnologia para este país. Sendo assim, o Arihant serviria apenas para iniciar uma corrida armamentista na região.

O projeto Arihant é parte de um plano de US$ 2,9 bilhões (R$ 11 bilhões) para construir cinco submarinos, entretanto, o projeto sofreu um atraso durante anos por enfrentar problemas técnicos, segundo as autoridades.

Além dos submarinos, a Índia possui aviões e mísseis capazes de transportar ogivas nucleares.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas