Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Israel revoga venda de caças F-16 à Croácia sob pressão dos EUA

Israel notificou oficialmente a Croácia sobre a impossibilidade de cumprir o contrato sobre o fornecimento de caças F-16 por causa da posição norte-americana, comunicou o Ministério da Defesa da Croácia.


Sputnik

Em março de 2018, a Croácia anunciou que Israel venceu a licitação sobre o fornecimento de caças, oferecendo as melhores condições. O contrato de US$ 500 milhões (R$ 1,93 bilhões) previa a venda de 12 caças usados F-16 Barak. Mas os EUA acabaram por bloquear a transação, chamada na Croácia de "negócio do século".


Caça israelense F-16 (foto de arquivo)
CC BY-SA 2.0 / Rob Schleiffert / F-16I Israe

"Infelizmente, não foi recebida autorização necessária dos EUA quanto ao fornecimento dos caças israelenses F-16 Barak à República da Croácia", informou o ministro da Defesa croata Damir Krsticevic depois do encontro com o diretor-geral do Ministério da Defesa israelense Udi Adam nesta quinta-feira (10).

A licitação de caças foi anunciada pela Croácia em 2017. Entre os participantes estavam a Grécia, Suécia, Israel e os EUA. Israel se tornou um concorrente direto dos EUA e acabou por não conseguir vender estes aparelhos a um país terceiro sem a autorização do país produtor.

Segundo o acordo provisório, Israel devia vender os caças F-16 Barak modernizados por Israel, mas os EUA exigiram retirar as melhorias israelenses. Os F-16 usados deviam substituir os obsoletos MiG-21 de produção soviética na Força Aérea da Croácia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas