Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Jordânia recusa controlar base americana após saída dos EUA da Síria, diz chanceler

O chanceler jordaniano Ayman Safadi disse que seu país não assumirá ou monitorará a base militar americana de Al-Tanf, localizada na fronteira entre a Síria e a Jordânia, pelo fato da instalação estar fora do território jordaniano.


Sputnik

"Não, a área de Al-Tanf pertence à Síria", respondeu Safadi em entrevista à Sputnik, quando perguntado se era possível que a base fosse entregue à Jordânia após a retirada das tropas americanas.


Membros das Forças Especiais dos EUA realizando treinamento durante operações contra grupo Daesh no sul da Síria
CC0 / Staff Sgt. Jacob Connor / 5th Special Forces Group (Airborne)

O ministro das Relações Exteriores da Jordânia destacou que seu país espera que os Estados realizem conversações trilaterais a fim de tomar as medidas necessárias para garantir a segurança na área.

"A Jordânia protegerá suas fronteiras, mas não atravessará o território sírio. O que esperamos é ter novamente uma conversa trilateral que estabeleça acordos que garantam a segurança do outro lado da fronteira", acrescentou o ministro.

Quando perguntado se a Jordânia poderia ser convidada a monitorar a base militar após a saída das tropas dos EUA, Safadi também negou.

"Al-Tanf está do outro lado da fronteira jordaniana. Como eu disse, a Jordânia não vai atravessar sua fronteira. Tomaremos todas as medidas para proteger nossa segurança. Eliminaremos qualquer ameaça à nossa segurança. Mas os acordos sobre o outro lado da fronteira após a saída [dos EUA] terão que ser negociados por todas as partes, e eles têm que garantir a segurança na área", acrescentou.

Já em relação ao campo de refugiados de Rukban, localizado na fronteira sírio-jordaniana, a Jordânia espera que o comboio humanitário da ONU chegue ao acampamento e que as negociações sobre seu desmantelamento com os EUA e a Rússia continuem, para que o as pessoas deslocadas da área possam retornar para suas casas.

Além disso, o ministro também afirma que o campo de refugiados "é uma ameaça à segurança nacional da Jordânia. As operações terroristas que foram planejadas em Rukban e executadas fora do campo mataram soldados jordanianos no passado".

Quanto às relações sírio-jordanianas, Safadi acredita que a nomeação de um encarregado de negócios para a missão diplomática da Jordânia em Damasco é um passo em linha com os esforços do país para pôr fim à crise síria.

"Sempre dissemos que deve haver um papel árabe nos esforços para trazer uma solução política para a crise [síria]. Ter um chefe de missão adjunto em Damasco é consistente com esta posição. Queremos que a crise na Síria termine e continuaremos a fazer tudo o que pudermos para ajudar a alcançar isso. Acabar com a crise é do interesse de todos", disse o chanceler.

Safadi também observou que Amã nunca fechou sua missão diplomática na capital síria apesar do conflito, mas teve que fechar temporariamente a fronteira com a Síria, apenas quando Damasco perdeu o controle sobre ela.

No dia 22 de janeiro, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Jordânia anunciou que Amã havia nomeado um diplomata para sua embaixada em Damasco, capital onde a Jordânia não tinha embaixador desde 2012. Ambos os países, no entanto, mantiveram suas missões diplomáticas abertas durante toda a guerra.

Comentários

Postagens mais visitadas