Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Kiev deve criar armas para atacar Rússia 'em profundidade', afirma especialista ucraniano

A situação nos mares Negro e de Azov se desenvolve de forma extremamente desfavorável para a Ucrânia e, portanto, Kiev precisa de tentar mudar o equilíbrio de forças a seu favor, elaborando armas capazes de "atacar em profundidade o território da Rússia".


Sputnik

Tal opinião foi expressa pelo vice-diretor do Centro de Estudos do Exército, Conversão e Desarmamento, Mikhail Samus, em um artigo publicado no jornal Apostrof.


Mikhail Samus sobre o aumento da tensão entre a Ucrânia e a Rússia nos mares Negro e Azov
Foto: GettyImages

Samus reconheceu que a Rússia domina completamente os mares Negro e de Azov. Ao mesmo tempo, nem a OTAN, nem tampouco a Ucrânia, podem impedi-lo. Além disso, a reação dos países ocidentais ao incidente de novembro no estreito de Kerch mostra que o Ocidente não está pronto para "elevar as apostas" e procura "congelar o conflito", indicou.

"A saída para a Ucrânia é óbvia: o desenvolvimento da capacidade da Marinha e dos sistemas de mísseis, as capacidades antiaérea e antimíssil do exército ucraniano. Essa é a única possibilidade", afirmou.

Ao mesmo tempo, em sua opinião, já não há nenhuma ilusão de que o Ocidente ajude a Ucrânia em qualquer conflito internacional.

Em seu ponto de vista, "a Ucrânia precisa de reforçar a sua Marinha, ou seja, mudar o equilíbrio de forças no mar Negro, contribuir para que a OTAN comece a ajudar a Romênia a desenvolver suas forças navais", indicou Samus.

Kiev também deve desenvolver sistemas de defesa antimíssil e antiaérea para "dissuadir a Rússia de usar suas poderosas capacidades de mísseis contra a Ucrânia", acredita o especialista.

"E, ao mesmo tempo, [deve] desenvolver sua própria arma de contenção — o míssil Neptun, que pode atacar o território da Rússia em profundidade", concluiu.

Em 25 de novembro, três navios da Marinha ucraniana violaram as fronteiras da Rússia. Eles realizaram manobras perigosas durante várias horas sem atender às exigências das autoridades russas. Como resultado, os navios foram detidos e os marinheiros presos.

O presidente russo, Vladimir Putin, classificou o incidente no estreito de Kerch como provocação incentivada pelo presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko. Em particular, o líder russo indicou que tudo foi organizado para introduzir a lei marcial na Ucrânia e, assim, adiar as eleições presidenciais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas