Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Maduro garante que Trump sofrerá derrota maior do que a sofrida no Vietnã

O líder Venezuelano, Nicolás Maduro, alerta os EUA sobre uma derrota mais dura do que a sofrida pelos norte-americanos no Vietnã, em 1975.


Sputnik

A advertência foi realizada na conta pessoal no Twitter do líder venezuelano, ressaltando o desejo dos EUA de transformar a Venezuela em um "Vietnã da América Latina".


Soldados venezuelanos
Militares venezuelanos © REUTERS/ Marco Bell

"Quero enviar uma mensagem ao povo dos EUA para alertá-los sobre a campanha de guerra midiática, comunicacional e psicológica que as mídias internacionais estão realizando, especialmente a mídia dos EUA contra a Venezuela", declarou o presidente venezuelano em um vídeo anexado à publicação.

Além disso, Maduro alertou sobre a existência de "uma campanha para justificar um golpe de Estado na Venezuela, que foi elaborado, financiado e apoiado ativamente pela administração de Donald Trump, como já conhece toda a opinião pública".

Maduro alertou as autoridades dos EUA que, caso o país pretenda intervir na Venezuela, "terão um Vietnã pior do que poderiam imaginar".

"Não permitimos violência! Somos um povo de paz", afirmou Maduro, pedindo pela conscientização e apoio do povo norte-americano para recusar a ingerência do governo norte-americano para que "não haja um novo Vietnã".

Vale ressaltar que durante entrevista concedida à Sputnik nesta quarta-feira (30), Maduro afirmou que Donald Trump deu ordem de matá-lo com a ajuda do governo colombiano.

"Sem dúvida, Donald Trump deu a ordem de me matar e disse ao governo colombiano e às máfias da oligarquia colombiana que me matassem", observou Maduro.

Em 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino da Venezuela. Os EUA e uma série de outros países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente interino da Venezuela, enquanto que a Rússia e vários outros países, incluindo a China, Cuba, e México, apoiam a permanência de Maduro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas