Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Prestes a 'ganhar' território do tamanho da Arábia Saudita, Brasil carece de recursos para defesa

A ONU deve ratificar no próximo mês, o pleito brasileiro em estender sua faixa de águas jurisdicionais em pelo menos 2,1 milhões de km², uma área equivalente à extensão da Arábia Saudita. Para especialista ouvido pela Sputnik Brasil, movimento precisa vir acompanhado de modernização da Marinha.
Sputnik

Como a Sputnik Brasil mostrou em maio, a demanda já dura há pelo menos 30 anos e tem relação com medições técnicas sobre o ponto onde termina o Brasil continental e até onde é lícito explorar as águas do entorno. O mar territorial brasileiro têm atualmente cerca de 12 milhas náuticas (22 quilômetros) na faixa de água e uma zona econômica exclusiva de 200 milhas náuticas (370 quilômetros). Na parte de solo e sub-solo, área na qual o Brasil pleiteia a extensão, há um limite de mais 200 milhas regulamentadas.

Responsável pela proteção da área oceânica, a Marinha brasileira vem desenvolvendo pesquisas na região desde 2004. Os militares já identificaram potencial possibilidade de exploração de …

Marinha dos EUA testou 20 projéteis hipersônicos

O destróier norte-americano USS Dewey lançou 20 projéteis hipersônicos no verão do ano passado no âmbito dos testes de armas de convés, comunicou a edição USNI News, citando um alto funcionário próximo dos testes.


Sputnik

Segundo a edição, os ensaios foram realizados pela Marinha dos EUA e Departamento de Capacidades Estratégicas do Pentágono no âmbito dos exercícios navais internacionais RIMPAC no verão de 2018. Os testes fizeram parte das investigações para provar que a Marinha dos EUA pode transformar armas de convés, que têm mais de 40 anos, numa arma eficaz e não muito cara contra mísseis de cruzeiro e veículos aéreos não tripulados de maior envergadura.


USS Dewey
USS Dewey © REUTERS / HANDOUT

A edição assinalou que os projéteis hipersônicos foram inicialmente criados para os canhões eletromagnéticos.

A Marinha dos EUA usa uma combinação de mísseis para combater mísseis de cruzeiro, informou a edição. Segundo o funcionário do Centro de Avaliações Estratégicas e Orçamentais, Bryan Clark, tal combinação de mísseis é eficaz, mas bastante cara.

"Se pensarmos nas ameaças com as quais nos podemos deparar no Oriente Médio — mísseis de cruzeiro baratos ou veículos voadores não tripulados de maior envergadura — agora temos um método de combatê-los que não exige mísseis ESSM de dois milhões de dólares ou RAM, de um milhão, já que mesmo os projéteis hipersônicos mais caros custarão de 75 a 100 mil dólares", disse Clark.

Além disso, está sendo avaliada a possibilidade de usar projéteis hipersônicos nas armas de artilharia do Exército e Corpo de Fuzileiros dos EUA e nos contratorpedeiros da classe Zumwalt, segundo a mídia.

Em outubro do ano passado, o vice-secretário de Defesa dos EUA Patrick Shanahan declarou que o país estava ativamente desenvolvendo armas hipersônicas e que estas entrariam em serviço antes do prazo previsto.

Em setembro, o vice-secretário de Defesa dos EUA Michael Griffin anunciou que o Pentágono precisava de mais de 20 bilhões de dólares para desenvolver armas hipersônicas iguais às da China.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas