Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Militares venezuelanos exilados declaram lealdade à Assembleia Nacional

Grupo de militares exilados no Peru desconhece governo de Maduro e se coloca às ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, "na condição de presidente interino do país".


Deutsch Welle

Um grupo de militares venezuelanos exilados no Peru se colocou à disposição e sob as ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó. Em uma transmissão televisiva nesta quarta-feira (16/01), os militares leram uma declaração em que expressaram seu apoio à Assembleia Nacional e rejeitaram o governo de Nicolás Maduro.


Grupo de militares venezuelanos durante declaração em que refutam o governo do presidente Nicolás Maduro
Grupo de militares venezuelanos durante declaração em que refutam o governo do presidente Nicolás Maduro

Nesta terça-feira (15/01), a Assembleia Nacional da Venezuela declarou formalmente Maduro um "usurpador" da presidência, o que significa que o Poder Legislativo não reconhece o novo mandato do líder venezuelano, reeleito em 2018 em eleições amplamente contestadas. O parlamento defende a criação de um governo de transição e novas eleições o quanto antes.

"Invocando a Constituição da República Bolivariana da Venezuela, nossos mais altos valores republicanos, herdeiros da glória do libertador [Simón Bolivar], nós, soldados e componentes da Força Armada Nacional, nos dirigimos à nação e à comunidade internacional", começou a declaração dos militares.

O grupo, que tem como porta-voz o primeiro-tenente José Hidalgo Azuaje, conhecido por ter escapado da prisão militar de Ramo Verde, colocou-se às ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, a que reconheceu como presidente interino do país, e incentivou outros militares da Venezuela a seguirem o exemplo.

A declaração foi encerrada com gritos de "Morte à tirania, viva a liberdade!" e um apelo ao líder oposicionista Guaidó: "Dê as ordens, meu comandante-em-chefe!".

"Fizemos um juramento à nação, não ao comandante das Forças Armadas [que na Venezuela é o presidente do país, neste caso Maduro]", explicou o Hidalgo Azuaje, em entrevista a uma emissora local. Ele estava acompanhado pelo tenente Carlos Guillén Martínez.

Hidalgo Azuaje afirmou que sua intenção era também informar o povo venezuelano de que não existe apenas uma resistência civil contra o regime de Maduro, mas também um movimento de resistência militar.

Em uma entrevista subsequente ao portal UCI Noticias, Guillén Martínez fez referência ao fato de que esta semana marcou o primeiro ano da morte de Óscar Pérez, o piloto de helicóptero que se rebelou contra Maduro.

"Estamos conscientes de quem estamos enfrentando. Não somos terroristas, como eles querem nos apresentar. Somos homens dignos, uniformizados. Temos uma razão de ser, fizemos um juramento e estamos dispostos a assumir as consequências para a libertação de nossa pátria", disse Guillém Martínez.

Os militares também incentivaram o povo venezuelano a tomar as ruas para "protestar pacificamente" contra o regime de Maduro em 23 de janeiro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas