Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Moscou: nova Estratégia de Defesa dos EUA revive corrida armamentista da Guerra Fria

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reagiu à nova Estratégia de Defesa antimísseis dos EUA, apresentada por Donald Trump na última quinta-feira.


Sputnik

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou nesta sexta-feira que a nova Estratégia de Defesa antimísseis de Washington levará a uma perigosa corrida armamentista no espaço e equivale a um relançamento do programa Guerra nas Estrelas da era da Guerra Fria.


O embaixador da Rússia nos EUA, à época ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Antonov, fala em um briefing no Ministério da Defesa em Moscou (foto de arquivo)


"Ao contrário das afirmações dos autores do estudo, a realização dos planos e abordagens que ele contém não fortalecerá a segurança dos Estados Unidos ou de seus aliados e parceiros", declarou a chancelaria russa.

Em um comunicado, o ministério descreveu o plano dos EUA como um confronto e disse que isso representaria um golpe para a já frágil estabilidade internacional.

Moscou pediu que Washington repense e se envolva com a Rússia em conversas construtivas sobre o equilíbrio de armas nucleares "antes que seja tarde demais".

O novo documento sobre a Estratégia de Defesa dos EUA, apresentado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na quinta-feira, afirma que Coreia do Norte, Irã, Rússia e China, "representam uma ameaça" para Washington. Além disso, o estudo reconhece o espaço como um "novo domínio de guerra".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas