Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Moscou: nova Estratégia de Defesa dos EUA revive corrida armamentista da Guerra Fria

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reagiu à nova Estratégia de Defesa antimísseis dos EUA, apresentada por Donald Trump na última quinta-feira.


Sputnik

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou nesta sexta-feira que a nova Estratégia de Defesa antimísseis de Washington levará a uma perigosa corrida armamentista no espaço e equivale a um relançamento do programa Guerra nas Estrelas da era da Guerra Fria.


O embaixador da Rússia nos EUA, à época ministro da Defesa da Rússia, Anatoly Antonov, fala em um briefing no Ministério da Defesa em Moscou (foto de arquivo)


"Ao contrário das afirmações dos autores do estudo, a realização dos planos e abordagens que ele contém não fortalecerá a segurança dos Estados Unidos ou de seus aliados e parceiros", declarou a chancelaria russa.

Em um comunicado, o ministério descreveu o plano dos EUA como um confronto e disse que isso representaria um golpe para a já frágil estabilidade internacional.

Moscou pediu que Washington repense e se envolva com a Rússia em conversas construtivas sobre o equilíbrio de armas nucleares "antes que seja tarde demais".

O novo documento sobre a Estratégia de Defesa dos EUA, apresentado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na quinta-feira, afirma que Coreia do Norte, Irã, Rússia e China, "representam uma ameaça" para Washington. Além disso, o estudo reconhece o espaço como um "novo domínio de guerra".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas