Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Netanyahu: Hezbollah tem boas razões para temer a 'força de ataque mortal' de Israel

As recentes ameaças expressas pelo líder do movimento libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, foram desvalorizadas pelo premiê israelense Benjamin Netanyahu, ao dizer que agora o grupo tem boas razões para temer a "força de ataque mortal" do Estado judeu.


Sputnik

O primeiro-ministro de Israel respondeu à declaração de Nasrullah de 26 de janeiro a uma emissora libanesa, onde este afirma que o Hezbollah e os aliados poderiam responder ao bombardeio israelense da Síria.


Imagem relacionada
Benjamin Netanyahu | Reprodução

"Nasrallah quebrou o silêncio ontem. Ele está agora em grande perturbação por três razões", disse Netanyahu no domingo (27) durante um debate.

Segundo Netanyahu, a primeira das razões é a recente destruição pelos israelenses dos túneis subterrâneos que o Hezbollah estava construindo para lançar grupos de sabotagem no Estado judeu, enquanto a segunda é a dificuldade financeira devido à restauração das sanções dos EUA contra o Irã, que patrocina o Hezbollah.

"Em terceiro lugar, Nasrallah está frustrado com a nossa determinação. O Hezbollah é confrontado com a força de ataque mortal das Forças de Defesa de Israel [IDF]. Acreditem em mim: Nasrallah tem boas razões para não querer sentir o poder da nossa força", disse o premiê de Israel.

Nos últimos dias Israel realizou três ataques aéreos contra alegados alvos iranianos na Síria, resultando na morte de ao menos quatro militares sírios e vários feridos.

O movimento xiita libanês sob o patrocínio iraniano foi descrito por Israel como o seu inimigo mais perigoso no Norte, apesar de, nos últimos anos, ter enviado uma parte significativa das suas forças paramilitares para a Síria em apoio ao presidente Bashar Al-Assad.

A última vez que Israel combateu contra o Hezbollah foi em 2006, e, desde o fim do conflito, as partes envolvidas têm no geral respeitado uma trégua na fronteira libanesa com Israel, mas os israelenses admitiram ter bombardeado repetidamente caravanas carregando armas que o Irã tem alegadamente tentado contrabandear através da Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas