Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

NI: com 100 ogivas nucleares até 2020, Coreia do Norte poderia fazer mundo refém

A revista americana The National Interest afirma que até o ano de 2020 a Coreia do Norte poderia possuir até 100 ogivas nucleares, segundo o relatório do think tank RAND, fortemente ligado aos militares dos EUA.


Sputnik

"Provocações e ameaças norte-coreanas criaram um ambiente instável na península coreana", explica o relatório. "O desenvolvimento contínuo de armas nucleares e mísseis balísticos pela Coreia do Norte aumenta a possibilidade de seu uso contra os Estados regionais, aumentando a instabilidade em toda a região e para além dela, afetando assim interesses vitais dos EUA."


Lançamento do míssil balístico intercontinental norte-coreano Hwasong-15
Lançamento do Hwangsong-15 © AP Photo / KCNA

O documento alerta que "o crescente arsenal da Coreia do Norte proporcionará ao seu regime múltiplas opções para empregar suas armas nucleares".

Pyongyang possui mais de 650 mísseis balísticos de curto e médio alcance capazes de atingir cidades da Coreia do Sul, Japão e leste da China que colocariam em risco bases militares e centros populacionais no nordeste da Ásia. Caso sejam desenvolvidos mísseis de longo alcance, estes poderiam atingir até mesmo Guam, Havaí, Alasca e noroeste continental dos EUA, escreve a edição.

Com um arsenal de até 100 ogivas nucleares e uma ampla gama de foguetes, o país asiático poderia seguir uma estratégia de guerra nuclear que poderia realmente funcionar, explica a publicação do RAND.

"A Coreia do Norte poderia fazer explodir uma ou mais no início de um conflito como advertência, enquanto reservaria uma salva de 20 a 60 armas para atacar alvos militares como concentrações de tropas, bases aéreas e portos marítimos […] Isso deixaria o suficiente para uma salva final de 30 a 40 armas para ameaçar lançar ataques contra cidades na Coreia do Sul, Japão, China, Rússia e — se eles desenvolverem os meios portadores — alvos nos Estados Unidos."

Caso Gangnam, um importante bairro da capital sul-coreana Seul, fosse atingido com uma bomba nuclear de 100 quilotons, isso poderia ocasionar a morte de 400 mil pessoas e mais um milhão de feridos. "As consequências de um único ataque nuclear da Coreia do Norte a Gangnam seriam severas", cita a publicação.

Seul fica a apenas 55 quilômetros da zona desmilitarizada entre a RPDC e a República da Coreia, a sul. Qualquer número de mísseis existentes poderia transportar uma ogiva nuclear até um alvo tão próximo.

O míssil norte-coreano de maior alcance operacional, o Musudan, pode percorrer mais de 3 mil quilômetros e atingir o Japão, China e Rússia. Enquanto a série de mísseis Hwasong, que Pyongyang está desenvolvendo, pode alcançar alvos a 10 mil quilômetros e ameaçar o território continental dos EUA.

A recomendação do relatório sugere uma resposta abrangente à ameaça norte-coreana através de "medidas para reduzir os riscos do programa nuclear do Norte", além de planos diplomáticos multilaterais para deter o progresso nuclear de Pyongyang.

Em junho de 2018, em Singapura, ocorreu uma reunião entre os líderes dos EUA e da Coreia do Norte, Donald Trump e Kim Jong-un, respectivamente, que não resultou em nenhum progresso significativo em relação ao desarmamento, segundo o autor do artigo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas