Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Nova tensão entre EUA e Turquia: quem tem mais cartas na manga?

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, partiu da Turquia sem ter se encontrado com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan depois de tê-lo enfurecido com a exigência de garantir a proteção dos combatentes curdos.


Sputnik

No domingo (6), Bolton declarou que as tropas norte-americanas permanecerão na Síria até que a Turquia garanta a segurança das milícias curdas apoiadas pelos EUA. A Sputnik Internacional discutiu esse assunto com o professor Alpaslan Ozerdem da Universidade de Coventry (Grã-Bretanha).


Ofensiva da Turquia na Síria
Tanques turcos na Síria © REUTERS / Assessoria de Imprensa das Forças Revolucionárias da Síria

O analista observa que um grande número de tropas turcas já está posicionado na fronteira da Turquia para a condução de operações militares no território sírio.

"Mas ainda não está claro a escala desta intervenção e como isso acontecerá. Tudo depende do que os Estados Unidos decidirem fazer com as YPG [Unidades de Proteção Popular curdas]. Por exemplo, se os EUA decidirão desarmá-las ou não", disse.

Segundo Ozerdem, uma outra questão é o que acontecerá com o território liberado pelos EUA e pelas YPG: a Turquia não quer que o território no norte da Síria seja entregue às forças do presidente sírio Bashar Assad.

O professor acredita que os EUA realmente pretendem retirar as tropas do território sírio.

"Em relação ao que a Turquia ganhará com isso, tal dependerá do que os Estados Unidos decidirem fazer com as YPG em termos de seu desarmamento; que parte do território do norte da Síria ficará sob controle da Turquia; e se as YPG permanecerão a oeste do rio Eufrates ou irão para o leste", enfatiza Ozerdem, acrescentando que essa é uma questão tática, mas provavelmente a Turquia tirará vantagem em qualquer um dos casos, a menos que suas relações com a Rússia se deteriorem.

Em suas declarações, o líder turco mencionou repetidamente a necessidade de criar uma nova força estabilizadora na Síria. Em opinião do analista, será muito difícil viabilizar essa ideia, especialmente se esta força for formada a partir dos grupos militares na Síria.

"Erdogan diz que, no contexto do conflito armado sírio, esses grupos não são terroristas, mas será muito difícil determinar quem é terrorista e quem não é, uma vez que a Turquia considera terroristas até as YPG", explicou.

Segundo ele, a comunidade internacional poderia pensar em implantar uma força multinacional. Ao mesmo tempo, a Turquia não vê com bons olhos a presença de tais contingentes militares ao longo de suas fronteiras. A ideia de criar uma força estabilizadora é bastante atraente, mas a questão principal é saber como ela será formada, conclui o analista.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas