Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Novo radar chinês seria capaz de monitorar um território de mais de 3 milhões de km²

China está desenvolvendo um radar “compacto” para frota de porta-aviões da Marinha.


Sputnik

Segundo o jornal South China Morning Post, o radar permitirá que o país mantenha uma vigilância constante em uma área de mais de 3 milhões de km².


Radar (imagem referencial)
© Sputnik / Sergey Pyatakov

Além disso, ele permitirá a detecção de ameaças provenientes de embarcações, aeronaves e mísseis inimigos de uma forma mais rápida e eficiente do que as atuais tecnologias.

O programa chinês de radares mais além do horizonte (OTH, em inglês) se tornou de conhecimento público após o cientista líder do projeto e professor do Instituto de Tecnologia Harbin, Liu Yongtan, receber o prêmio científico mais importante da China, diretamente das mãos do presidente chinês, Xi Jinping.

Radares OTH elevaram consideravelmente a área de monitoramento, afirmou Liu, ressaltando que, no entanto, grande parte do território marítimo não pode ser monitorada por dispositivos semelhantes.

"Utilizando tecnologias tradicionais, nosso monitoramento e vigilância poderiam cobrir apenas 20% do nosso território marítimo. Com o novo sistema, podemos cobrir toda a área", declarou Liu ao South China Morning Post.

Os radares OTH baseados em terra foram desenvolvidos pelos EUA e pela União Soviética durante a Guerra Fria, no entanto, muitos deles foram fechados ou suspensos devido a vulnerabilidades.

Devido à grande quantidade de energia necessária e à necessidade de serem instalados em territórios planos e abertos, estes sistemas são vulneráveis a ataques. No entanto, o novo sistema OTH pode estar baseado em navios, segundo um membro anônimo do projeto.

Dessa maneira, o radar flutuante elevaria as capacidades de compilação de informação da Marinha chinesa em áreas críticas, como é o caso do mar do Sul da China e dos oceanos Índico e Pacífico.

Contudo, para integrar a tecnologia em embarcações, os cientistas deverão superar uma série de desafios, sendo eles, o ajuste da frequência do radar, a despolarização e a direção para se adaptar à distância da zona objetiva e condições na ionosfera.

Além disso, as embarcações receptoras também precisarão de dispositivos complexos para compensar o movimento causado pelo mar.

Vale ressaltar que, a China não é o único país que está desenvolvendo a tecnologia OTH de radares, pois a empresa americana Raytheon recebeu uma patente em 2016 para o desenvolvimento de um sistema similar, que possui um alcance de detecção de mais de 1.000 km e pode cobrir uma área de mais de 3,4 milhões de km².

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas