Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Pânico em Washington: Trump ameaça abandonar OTAN?

Durante o seu mandato, o presidente dos EUA Donald Trump criticou por mais de uma vez os membros da OTAN por não cumprirem suas obrigações e insistiu para que eles elevem seus gastos militares, ameaçando abandonar a Aliança, escreveu o jornal The New York Times.


Sputnik

Segundo o jornal, durante 2018 o líder norte-americano se manifestou várias vezes pela saída da OTAN. Fontes anônimas próximas ao governo dos EUA afirmaram que o setor político não acreditava que Trump estivesse decidido. No entanto, reconheceram que o presidente pode regressar a essa ideia se os membros da Aliança não aumentarem suas contribuições.


Presidente dos EUA Donald Trump durante a cúpula da OTAN em Bruxelas
Donald Trump © Sputnik / Aleksei Vitvitsky

Donald Trump declarou que não vê sentido na existência da OTAN, qualificando-a como uma "carga enorme" para Washington, de acordo com as fontes do jornal.

Ao mesmo tempo, altos funcionários dos EUA, inclusive o secretário da Defesa, James Mattis, e o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, rejeitaram comentar uma possível saída dos EUA da OTAN, o que, segundo The New York Times, poderia "enfraquecer a influência estadunidense na Europa e animar a Rússia por décadas".

"Isso arruinaria os resultados do trabalho exaustivo de mais de 70 anos […] destinado a criar uma aliança, possivelmente a mais poderosa e benéfica da história", declarou a ex-subsecretária da Defesa Michele Flournoy, acrescentando que isso seria o melhor resultado que Putin poderia imaginar.

O ex-comandante da OTAN, almirante James Stavridis, afirmou que a decisão dos EUA de abandonar a organização seria um "erro geopolítico de proporções épicas" e o "presente do século para Putin".

Quanto aos altos funcionários em função na Casa Branca, eles evitam fazer declarações categóricas sobre uma possível saída da OTAN, comentando apenas a grande dedicação dos EUA à organização.

Donald Trump nunca fez declarações oficiais sobre a saída da OTAN, contudo, as relações entre os EUA e os membros europeus da Aliança vivem grandes tensões. Os aliados da Aliança "que se sentem ameaçados pela Rússia já têm muitas dúvidas se Trump ordenaria às suas tropas para acorrerem em seu auxílio", segundo o jornal.

O líder dos EUA insistiu repetidamente que os países da OTAN devem destinar 2% do PIB para os gastos de defesa. Segundo as avaliações do bloco militar, dos 29 países membros apenas 11 elevaram seus gastos militares até 2%. Durante a cúpula da Aliança em julho, Trump propôs que as contribuições chegassem 4%.

Comentários

Postagens mais visitadas