Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que novas sanções dos EUA sobre Irã miram líder supremo

O presidente norte-americano, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que os Estados Unidos estão impondo novas sanções sobre o Irã, em meio a uma escalada nas tensões entre os dois países.
Por Steve Holland | Reuters 
WASHINGTON: Trump disse a repórteres que as sanções, que têm como alvo o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, são em resposta à derrubada de um drone norte-americano na semana passada.

Pompeo afirma que EUA acabaram com 99% do califado na Síria

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, garantiu nesta quinta-feira no Cairo que a campanha militar americana na Síria acabou com 99% do chamado "califado" que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) estabeleceu em 2014 nos territórios que controlava neste país e no Iraque.


EFE

Cairo - "Derrubamos 99% do califado na Síria e vamos continuar neste caminho", disse o chefe da diplomacia americana em entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores egípcio, Sameh Shukri, no Cairo, aonde chegou nesta quinta-feira como parte de uma excursão por vários países árabes do Oriente Médio.


Mike Pompeo em foto de 8 de janeiro. EFE/ Andre Pain
Mike Pompeo em foto de 8 de janeiro. EFE/ Andre Pain

Sobre a decisão de retirar as tropas americanas do norte da Síria, anunciada pelo presidente Donald Trump em meados de dezembro, Pompeo declarou que os EUA seguirão lutando contra o EI em toda a região, mas que na Síria farão de "forma diferente".

"É possível retirar as forças americanas da Síria e seguir com a nossa campanha arrasadora" contra os jihadistas, respondeu Pompeo a perguntas dos jornalistas.

"Seguimos lutando contra o EI em várias regiões, estamos comprometidos a evitar que o EI cresça", argumentou o secretário de Estado, ao dizer que não há contradições entre a decisão tomada por Trump e a realidade no local. Pompeu admitiu que a ameaça do terrorismo extremista segue presente e, por isso, os EUA continuarão lutando.

Shukri afirmou que o Egito é um parceiro dos EUA nessa luta e na coalizão internacional antijihadista, e destacou que "as capacidades do EI foram reduzidas em grande parte, mas a rede de organizações terroristas vai além disso".

O ministro egípcio destacou os vários braços do EI que operam em todos os países da região, assim como outros grupos islamitas, por exemplo, a Irmandade Muçulmana, declarada terrorista no Egito em 2013, depois de ter sido afastada do governo pelo Exército em julho desse ano.

Ambos destacaram a duradoura e estratégica relação que une Egito e EUA, que é "mais necessária que nunca", nas palavras de Pompeo, para fazer frente aos desafios enfrentados.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas