Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Presidente turco anuncia 'entendimento histórico' com EUA sobre a Síria

A Turquia e os EUA chegaram a um "entendimento histórico" na questão síria, o presidente norte-americano confirmou a intenção de retirar as tropas da Síria, declarou o presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante o seu discurso perante o Partido da Justiça e Desenvolvimento.


Sputnik

Anteriormente, Donald Trump ameaçou Ancara com sanções econômicas caso esta decidisse atacar os curdos sírios, o que causou uma reação dura da parte turca. O líder dos EUA assinalou que é necessário criar uma zona tampão entre a Turquia e a Síria.


Resultado de imagem para erdogan trump
Recep Tayyip Erdogan e Donald Trump | Reprodução

"As declarações de Trump no Twitter me entristeceram, a mim e meus colegas. Ontem nós falamos novamente pelo telefone. Foi uma conversa produtiva. Eu creio que nós com Trump chegamos a um entendimento comum sobre a situação na Síria. Ele mais uma vez confirmou a intenção de retirar as tropas e o desejo de criar uma zona de segurança de 32 quilômetros", declarou Erdogan.

Segundo a proposta anterior do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, a zona deve funcionar como um tampão entre a Turquia e a Síria, garantir a segurança dos aliados curdos dos EUA e prevenir ataques terroristas contra a Turquia.

O presidente turco afirmou que os EUA e a Turquia chegaram a acordo sobre a coordenação posterior entre os representantes dos dois países sobre as questões atuais, sublinhando que isso tem "importância histórica". Ancara continua cumprindo suas obrigações, usando os canais políticos e diplomáticos, assinalou ele, acrescentando que "a Turquia é um Estado de todos os nossos povos irmãos, curdos, árabes, independentemente da nacionalidade ou crença".

Anteriormente, o presidente turco anunciou que Ancara estava prestes a começar uma operação no leste do rio Eufrates, bem como na cidade síria de Manbij contra as milícias curdas, se os EUA não as retirassem de lá. Posteriormente, Erdogan destacou que decidiu adiar o início da operação militar na Síria após uma conversa telefônica com Donald Trump, depois da qual Trump tomou a decisão de retirar as tropas norte-americanas da Síria.

Em 19 de dezembro, Donald Trump declarou a vitória dos EUA contra o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em vários outros países) na Síria, destacando que o grupo terrorista era o único motivo pelo qual as tropas americanas se encontravam no país árabe. Posteriormente, a porta-voz da Casa Branca afirmou que os EUA iniciaram a retirada das forças da Síria, observando que isso não significaria "o fim da luta da coalizão internacional".

Comentários

Postagens mais visitadas