Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Quem é responsável por violar o Tratado INF? Mídia avalia ações da Rússia e EUA

Embora os EUA continuem culpando Moscou por alegada violação do Tratado INF, não lhes ocorre que possam ter sido eles a causa de a Rússia tentar se proteger, escreve uma revista americana.


Sputnik

A revista The Nation critica o artigo publicado no jornal The New York Times, segundo o qual a responsabilidade pela cessação do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) é atribuída exclusivamente à Rússia. Na matéria, os autores prestam atenção apenas ao míssil russo 9M729, que alegadamente foi testado em distâncias entre 500 e 5,5 mil quilômetros, o que contradiz o tratado.


Sistema de defesa antimíssil Aegis Ashore
CC BY 2.0 / Agência de Defesa contra Mísseis dos EUA / Aegis Ashore

Os autores do artigo acima mencionado realizaram uma análise demasiado unilateral, indica a The Nation, acrescentando que eles ocultaram uma série de fatores cruciais de seus leitores. Por exemplo, eles não escreveram nada sobre o sistema de defesa antimíssil Aegis, que os militares estadunidenses estão ativamente implantando na Europa Oriental.

O sistema Aegis foi desenvolvido pelos EUA em cooperação com especialistas japoneses. Normalmente esse sistema é instalado nos porta-aviões e é capaz de interceptar mísseis balísticos a uma altitude de 500 quilômetros. No entanto, indica a revista, existe uma versão terrestre do sistema com as mesmas capacidades que recentemente foi deslocada no território da Romênia e em breve será implantada na Polônia.

De acordo com a edição, o posicionamento desse sistema, capaz de interceptar mísseis de médio e curto alcance, na Europa Oriental, ou seja, perto das fronteiras russas, pode ter sido uma razão de a Rússia ter começado a desenvolver o míssil 9M729.

Em conclusão, a revista sublinha que, embora a Rússia provavelmente viole o Tratado INF, a mídia e os militares dos EUA devem se perguntar se os EUA não teriam feito algo que tivesse provocado tal comportamento por parte da Rússia, e só depois tentar encontrar uma saída para a atual escalada de tensões políticas.

Em 16 de janeiro o vice-secretário de Estado dos EUA declarou que os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF em 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo.

Nos últimos anos, Moscou e Washington têm se acusado regularmente de violar o Tratado INF. A Rússia declarou repetidas vezes que cumpre rigorosamente todas as obrigações dos termos do acordo. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, observou que a Rússia tem ela própria sérios questionamentos em relação à implementação do Tratado pelos norte-americanos. Segundo ele, as acusações dos EUA são infundadas, uma vez que o míssil 9M729 foi testado no alcance permitido pelo acordo.

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas