Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Revista americana destaca 2 qualidades mais ameaçadoras de mísseis de cruzeiro russos

Os mísseis de cruzeiro russos Kalibr possuem duas qualidades principais que preocupam as Marinhas ocidentais, segundo a revista norte-americana The National Interest.


Sputnik

De acordo com a edição, em primeiro lugar, os mísseis voam a baixa altitude, sobre a superfície da água, evitando assim serem detectados pelos radares do inimigo e privando o alvo de tempo para reagir à ameaça, escreveu o autor da matéria, Michael Peck.


Resultado de imagem para Kalibr
Lançamento de míssil Kalibr | Reprodução

Em segundo lugar, os mísseis Kalibr são universais, podendo ser utilizados para equipar navios militares de pequeno porte, como corvetas, por exemplo, acrescentou.

Segundo The National Interest, a inteligência norte-americana está ciente das caraterísticas técnicas das modificações existentes do Kalibr. Em 2015, o Comando da Inteligência Naval da Marinha dos EUA examinou as capacidades dos mísseis, chegando à conclusão que os navios russos equipados com as versões existentes dos mísseis Kalibr, posicionados nos mares da Noruega, Negro, Cáspio e de Barents, podem "cobrir" áreas desde a França ao Irã e ao Cazaquistão.

"A eficácia de um navio militar não é definida somente pelos mísseis. A eficácia exige tais capacidades como sensores e sistemas de comando e controle. Contudo, os mísseis Kalibr são capazes de tornar até uma pequena embarcação russa em um 'assassino de navios' ou em uma plataforma de ataque contra alvos terrestres, é uma capacidade poderosa [da Marinha russa]", lê-se na matéria.

Inicialmente, os mísseis de cruzeiro Kalibr foram elaborados para equipar os submarinos nucleares polivalentes do projeto 885 Yasen. Em seguida, os mísseis foram utilizados para armar tanto os submarinos nucleares do projeto 636 como navios de superfície.

O alcance dos mísseis Kalibr é aproximadamente 2.500 km. Pela primeira vez, os mísseis foram utilizados contra os terroristas da Síria no dia 7 de setembro de 2015. Então, os navios militares russos lançaram 26 mísseis de cruzeiro a partir das águas do mar Cáspio.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas