Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Rússia defende Maduro e acusa EUA de tentar desbancar governo

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia defendeu nesta quinta-feira a legitimidade do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e acusou os Estados Unidos de tentarem desbancar o governo.


EFE

Moscou - "O juramento do opositor 'presidente interino da Venezuela '(Juan Guaidó) e seu imediato reconhecimento pelos Estados Unidos e outros países (...) procura acentuar a divisão da sociedade venezuelana, aumentar o confronto nas ruas (...) e aumentar a escalada do conflito", declarou o ministério.


EFE/Cristian Hernández
EFE/Cristian Hernández

Segundo Moscou, a criação premeditada na Venezuela de uma "dualidade de poder", ou seja, a formação de um centro alternativo de tomada de decisões, "leva diretamente ao caos, à destruição das bases do Estado venezuelano".

O Ministério das Relações Exteriores ressaltou que nas ações "descaradas de Washington", a Rússia vê "novas demonstrações de desprezo total das normas e princípios do direito internacional e uma tentativa de ter papel de juiz dos destinos de outros povos".

"Salta à vista o propósito de aplicar o roteiro já provado de demolição de governos indesejados", acrescentou o Governo russo.

Moscou disse ver "com enorme preocupação" os avisos de uma série de países "no sentido de que não se pode excluir uma intervenção militar desde o exterior" e advertiu contra semelhantes aventuras, "que podem ter consequência catastróficas".

O departamento dirigido por Sergey Lavrov ressaltou que só os venezuelanos podem decidir seu futuro e tachou de "inaceitável a intromissão estrangeira destrutiva", sobretudo em momentos em que, como agora, a situação é extremamente tensa.

"Fazemos uma chamada aos políticos venezuelanos sensatos que se encontram na oposição ao Governo de Nicolás Maduro para que não se transformem em peões de uma partida de xadrez alheio", afirmou o ministério russo.

"A tarefa da comunidade internacional é ajudar ao entendimento entre as diversas forças políticas da Venezuela", concluiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas