Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Taiwan prefere caças F-16 ao invés dos F-35 para conter a China, diz mídia

Taiwan decidiu atualizar frota de caças F-16, o que pode descartar o desejo do país por caças americanos F-35.


Sputnik

A Força Aérea do país deve receber seus primeiros quatro caças F-16 A/B no início de 2019. Taiwan decidiu atualizar suas aeronaves no início de 2018 com a intenção de converter suas aeronaves em uma versão mais avançada, como o F-16V, segundo a Agência Central de Notícias de Taiwan.


Caça F-16 da Força Aérea de Taiwan  (foto de arquivo)
F-16 Fighting Falcon de Taiwan © AFP 2018 / Chiang Ying-ying

Com a atualização, Taiwan não obterá possivelmente as aeronaves F-35, fabricadas pela Lockheed Martin, conforme analista em defesa.

Segundo Collin Koh, pesquisador de segurança naval da Universidade Tecnológica de Singapura, os caças F-35 seriam uma solução em longo prazo para Taiwan, o que fez com que o país analisasse outras opções.

Taiwan tem os EUA como aliados e se prepara para um eventual conflito com a China, já que o gigante asiático não reconhece a independência de Taiwan, inclusive, recentemente, o líder chinês, Xi Jinping, reafirmou que o país poderia utilizar a força contra a ilha.

Atualmente, Taiwan conta com caças franceses Mirage 2000, que operam há 25 anos pelas forças do país, e não descarta a compra dos caças F-35, entretanto, o país reconhece que deve considerar diversos fatores e, apenas após isso, avaliará e pesquisará as opções mais viáveis.

Apesar do interesse informal de Taiwan por caças F-35, a negociação só poderia ser concretizada com a aprovação do governo dos EUA, que, por sua vez, informalmente rejeitou a ideia, conforme publicação do portal Voa News.

Há rumores de que oficiais americanos estejam preocupados com a possibilidade de espiões chineses roubarem a tecnologia do F-35 em uma eventual negociação com Taiwan, além das chances de os F-35 não conseguirem combater os mísseis chineses.

O ex-ministro da Defesa da China, Andrew Yang, ressalta que o governo dos EUA recomenda mísseis de defesa de curto alcance e de baixo custo para conter uma invasão anfíbia, ao invés de capacidades simétricas a avião de combate avançado e caro.

Taiwan está gastando aproximadamente US$ 3,64 bilhões (R$ 13,51 bilhões) na atualização dos 144 caças F-16 A/B, sendo considerada a maior e mais importante atualização para a Força Aérea do país. Os F-16 receberão novo hardware e sistemas avançados de radar semelhantes aos utilizados pelo F-35.

Comentários

Postagens mais visitadas