Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

'Terroristas não podem ser aliados': Turquia responde a EUA sobre 'devastação econômica'

As tensões entre Ancara e Washington aumentaram ainda mais devido à questão curda, após o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, ter anunciado na semana passada que Ancara iria lançar uma operação militar a leste do rio Eufrates se os EUA não retirassem suas tropas da Síria a tempo.


Sputnik

Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco, respondeu no Twitter a um comentário recente do presidente dos EUA, que ameaçou "devastar economicamente" a Turquia se Ancara atacar as forças curdas na Síria, apoiadas pelos EUA.


Soldados turcos na Síria (foto de arquivo)
Tropas turcas na Síria © AFP 2018 / BULENT KILIC

O apoio dos EUA aos militantes curdos, que lutam contra o Daesh na Síria, tornou-se um grande obstáculo nas relações entre os dois aliados da OTAN. A Turquia considera que as Unidades de Proteção Popular curdas na Síria (YPG) são afiliadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado pela Turquia como uma organização terrorista.

A questão se agravou desde que Trump declarou vitória sobre o Daesh, anunciando que retiraria cerca de 2 mil soldados dos EUA da Síria. Ao abordar o assunto, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou que os EUA garantiriam que as forças turcas não atacariam os militantes curdos.

Além disso, o Ministério das Relações Exteriores da Síria confirmou que Damasco intensificou as negociações com os curdos em meio à ameaça de uma operação turca.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas