Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Ucrânia é 'maior problema' do mundo, segundo o ex-presidente tcheco

O ex-presidente da República Tcheca, Václav Klaus, apontou a Ucrânia como o maior problema do mundo.


Sputnik

A Ucrânia é o principal fator que pode deteriorar a situação internacional, disse Klaus, que atuou como presidente da República Tcheca entre 2003 e 2013.


Participantes de marcha nacionalista dedicada ao 76º aniversário do Exército Insurgente da Ucrânia (organização extremista proibida na Rússia) em Kiev
Marcha nacionalista na Ucrânia © Sputnik / Stringer

"Eu considero a Ucrânia como o maior problema", disse Klaus, referindo-se à segurança internacional.

Durante uma entrevista para uma emissora de Praga, Klaus explicou que a Ucrânia "é incitada pelas elites políticas do Ocidente a provocar a Rússia tanto quanto possível".

No entanto, Moscou não responde às ações provocativas das autoridades ucranianas. "Esta é uma decisão feliz, pois, caso contrário, esta caldeira pode explodir", advertiu Klaus.

Antes de se tornar presidente da República Tcheca, o político atuou como chefe de governo e presidente da câmara baixa do seu país.

No final de dezembro, o atual presidente tcheco, Milos Zeman, prometeu que seu país protestaria oficialmente contra a prática ucraniana de apresentar criminosos de guerra como heróis.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas