Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Ucrânia precisa de paz com a Rússia, diz Poroshenko

O presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, declarou nesta terça-feira que a Ucrânia precisa de paz com a Rússia.


Sputnik

"É claro que precisamos da paz com a Rússia, uma paz fria, mas paz. A população está cansada da guerra e a propaganda russa está brincando com essa dolorosa emoção", disse Poroshenko.


Presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko em Kiev
Pyotr Poroshenko © Sputnik / Nikolay Lazarenko

Ele acrescentou que "a guerra e a paz serão uma das principais questões nas eleições, porque a população elegerá não só o presidente, mas o Comandante Supremo".

O presidente ucraniano também enfatizou que Kiev continuará a buscar uma solução para o conflito na região de Donbass por meios políticos e diplomáticos.

Ao mesmo tempo, ele ressaltou que apenas um "exército preparado para o combate pode garantir a paz". Além disso, Poroshenko informou que nos próximos cinco anos, a prioridade do governo continuará sendo a modernização do Exército.

A atual operação do Exército ucraniano em Donbass teve início em 2014 com o objetivo de reprimir uma revolta lançada por habitantes de Donetsk e Lugansk insatisfeitos com o golpe de Estado ocorrido em fevereiro daquele ano na Ucrânia. Apesar dos acordos firmados e diferentes regimes de trégua estabelecidos ao longo dos últimos anos, os combates entre as partes seguem até hoje na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas