Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

2 destróieres americanos são avistados nas proximidades de ilhas disputadas pela China

Os destróieres USS Spruance e USS Preble da Marinha dos EUA passaram a 19 km das ilhas Spratly, que são disputadas entre a China e diversos outros países do Sudeste Asiático.


Sputnik

A operação ocorreu "para desafiar as excessivas reclamações e preservar o acesso às rotas marítimas em conformidade com o direito internacional", afirmou Clay Doss, porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA à CNN, ressaltando que "os EUA voarão, navegarão e realizarão operações onde as leis internacionais permitam".


Resultado de imagem para USS Spruance
USS Spruance | Reprodução

"Isso é certo tanto no mar do Sul da China como em outros lugares do mundo", adicionou o porta-voz.

Vale observar que essa é a segunda operação realizada pelos EUA neste ano, já que em janeiro o destróier USS McCampbell navegou a menos de 19 km das ilhas Paracelso.

Na ocasião, a China acusou os EUA de invadir suas águas territoriais e afirmou ter instalado mísseis "capazes de atacar embarcações de médio e grande porte".

A China reivindica o direito de construir instalações militares no arquipélago Spratly, composto por um grande número de pequenas ilhas e recifes espalhados em uma área de mais de 400 mil km².

A região é disputada por China, Filipinas, Malásia, Taiwan e Vietnã, que ocuparam algumas das ilhas e reivindicam parte ou a totalidade do território. Além disso, Brunei também está presente em alguns recifes do arquipélago, no entanto, não reivindicou direitos.

Em 2016, a Corte Internacional de Arbitragem de Haia determinou não haver base legal para as reivindicações apresentadas por Pequim na zona marítima compreendida dentro da "linha de novos pontos" no mar do Sul da China. Além disso, determinou que Spratly não são ilhas e não constituem uma zona econômica exclusiva, entretanto, a China não reconhece e não aceita o parecer de Haia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas