Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Apelos dos EUA para 'ofensiva' contra Rússia podem levar a guerra nuclear, diz senador

O almirante norte-americano apelou a Washington para uma "ofensiva" contra a Rússia e China. O senador russo Oleg Morozov declarou à Sputnik que tais apelos podem levar ao uso de armas nucleares.


Sputnik

Durante uma conferência do Conselho Atlântico, o chefe das operações navais dos EUA, almirante John Richardson, acusou a Rússia de bloquear o mar de Azov e de reforçar a sua presença militar e naval no Mediterrâneo Oriental. Richardson afirmou que, para os EUA, "chegou a hora de atacar primeiro", segundo a edição Business Insider.


Navios militares dos EUA, USS Bonhomme Richard (primeiro de baixo), e USS Boxer (segundo de cima),  participam de exercícios navais com grupo de pronta-resposta da Unidade Anfíbia da Coreia do Sul, em Ssang Yong, 8 de março de 2016
© REUTERS / U.S. Marine Corps/Cpl. Darien J. Bjornda

"'Pressionar', 'atacar primeiro' significa de fato uma guerra, para mais sem razões visíveis, já que, no contexto da atividade militar dos EUA e da OTAN, as nossas ações parecem uma defesa mínima", declarou o senador russo Oleg Morozov, acrescentando que "qualquer conflito local entre os EUA e a Rússia pode levar ao uso de armas nucleares e a uma grande guerra".

Segundo Morozov, tais declarações poderiam ser chamadas de "delírio de um louco", se não levarmos em consideração o sentido.

O senador espera que esses apelos não sejam ouvidos pelos que têm acesso às armas nucleares nos EUA, já que não se pode brincar com vidas humanas.

Um outro senador russo, Franz Klintsevich, aconselhou os EUA a se esquecerem do mar de Azov, visto que os EUA "não têm tal peça no seu arsenal", se usarmos os termos do xadrez.

"Nós vivemos em uma casa frágil e qualquer passo aventureiro, irresponsável, para a sua reconstrução e mudança do balanço de forças pode causar consequências graves à própria casa", assinalou Klintsevich, acrescentando que é muito estranho ouvir tais declarações de um militar de alto escalão no ativo, que deve avaliar o perigo de tais ações.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas