Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Apresentação do Future Combat Air System (FCAS) por seus projetistas (VIDEO)

O Future Combat Air System, ou FCAS, está entrando em uma nova fase. Foi lançado em abril do ano passado pela Alemanha e pela França, e Eric Trappier, CEO da Dassault Aviation, com um novo contrato sendo assinado até o final de janeiro. 


Poder Aéreo

O objetivo seria voar um demonstrador para uma aeronave pilotada até 2025. O FCAS é um grande projeto, um símbolo da reforçada cooperação de defesa entre os dois países, que deve ser reafirmada por um novo tratado assinado em 22 de janeiro.

Conceito do FCAS da Dassault

Além da política, os franceses e alemães pretendem substituir suas atuais frotas de aviões de combate por um novo sistema capaz de superar os mais modernos sistemas de defesa aérea, com uma data introdutória por volta de 2040. Ao contrário de projetos de defesa europeus anteriores como o Tornado ou o Eurofighter, o FCAS não se restringirá a projetar um único jato de combate.

Em vez disso, projetará uma estrutura de força, composta por caças, drones, aviões-tanque, aeronaves avançadas de alerta antecipado e armas complexas, cada uma delas ligada a uma rede comum para compartilhar informações e reagir instantaneamente a ameaças inimigas, que se prevêem se tornarem cada vez mais conectadas também. De fato, os radares de terra, os centros de comando e os mísseis superfície-ar provavelmente serão conectados em rede com links resistentes a interferências. A guerra aérea futura deve, consequentemente, ver a rede de defesa aérea enfrentar a rede ofensiva do FCAS.

O projeto está atualmente em fase de definição e é dirigido na França pelo general Breton, da Força Aérea Francesa. Como é um esforço muito técnico, a agência de compras francesa de defesa, DGA, está fortemente envolvida, sob a liderança do Engenheiro Chefe de Armamento Koffi. Ambos estiveram presentes no fórum Innovation Défense, realizado em Paris no final de novembro de 2018, e deram uma conferência sobre o papel da inovação no projeto FCAS. Aqui está uma transcrição:

General Breton:

O Future Combat Air System (FCAS) deve entrar em serviço em 2040, ano que está muito distante. Portanto, é necessário ser flexível e ágil para poder adaptar-se constantemente ao inesperado.

Uma maneira de fazer isso é usar um modelo de aplicativo como em smartphones: você pode instalar um novo aplicativo em poucos cliques, o que é impossível em um avião de combate porque você precisa verificar se algum novo software não tem impacto no sistema de voo, por exemplo, enquanto esses dois softwares precisam se comunicar juntos. O FCAS terá, portanto, de ser arquitetado para poder integrar novos aplicativos, garantindo que eles não consumam toda a memória ou bateria, para usar o exemplo do smartphone.

Outra maneira de inovar é através de novos usos dos sistemas existentes: por exemplo, usando o equipamento de gerenciamento para o datalink Link16 que equipa nossas aeronaves, podemos desviá-lo de sua função inicial como um link de dados puro para treinamento, injetando alvos falsos para fazer os pilotos trabalharem na reação a ser dada a eles.

Um aspecto importante da inovação no FCAS será a rede: atualmente no Rafale, o piloto usa principalmente seus próprios sensores e algumas das informações fornecidas pela rede. No FCAS, a proporção será invertida. O gerenciamento da transferência de dados pela rede será feito independentemente do piloto, que verá os dados mesclados e supervisionará o processo.

As análises que realizamos no FCAS são as seguintes: as missões serão mais ou menos as mesmas das missões de hoje. Ameaças, por outro lado, terão mudado significativamente. As defesas aéreas de longo alcance e a negação de acesso terão se espalhado, as aeronaves inimigas serão furtivas, o inimigo terá UAVs de enxame e colaborativos, mísseis hipersônicos, manobras terrestres/marítimas/aéreas/espaciais integradas e capacidades cibernéticas. Se essas capacidades são prerrogativas de alguns estados hoje, amanhã qualquer ator, mesmo um privado para o ciberespaço, terá algumas ou todas essas capacidades.

Diante disso, o FCAS fornece uma resposta do sistema, com diferentes componentes. Um componente de míssil de cruzeiro lidará com alvos de alto valor. As ameaças altamente defendidas serão engajadas por aviões de transporte remotos – com drones capazes de realizar reconhecimentos, interferência ou até mesmo ataques. Dependendo da defesa encontrada pelo sistema, ele enviará seus componentes rápidos ou seus componentes furtivos para contê-lo através da adaptação.

A interceptação e a defesa AA serão realizadas por um caça tripulado, bem como por missões especializadas [nota do editor: dissuasão nuclear]. O piloto trará sua inteligência para o sistema e será o capitão deste time de futebol cujos alas serão os drones e as transportadores remotos.

A Airbus publicou um vídeo sobre sua visão do FCAS que mostra o que o general está descrevendo, veja no final.

O primeiro círculo do FCAS consistirá, portanto, em um Rafale evoluído que será substituído por uma nova aeronave a longo prazo, porque há uma necessidade de mais furtividade e mais geração de energia do que o Rafale pode fornecer. Também haverá aviões de transporte remotos que terão que saturar a defesa inimiga, com mísseis de cruzeiro e talvez um drone de combate.

O segundo círculo incluirá satélites, aeronaves de reabastecimento, aviões-radar, navios de guerra e os ativos de nossos aliados, daí a importância de padronizar os links de dados com nossos aliados.

O FCAS também poderá ser lançado de um porta-aviões.

Engenheiro de Armamento Philippe:

Para alcançar este sistema em 2040, a inovação terá que ser realizada em três eixos: primeiro, a inovação tecnológica, a modularidade da arquitetura do sistema e, finalmente, novas formas de operar entre o Estado, a indústria, as PMEs e a pesquisa científica.

Na tecnologia, os grandes componentes são:

  • Furtividade: uma área sensível. Para dar um exemplo, queremos remover as caudas dos futuros aviões de combate porque elas geram um forte retorno de radar, mas mesmo se soubermos voar aeronaves subsônicas sem cauda como o Neuron UCAV mostrou, para voos supersônicos a ausência de caudas é um problema de controle de voo.

  • Maneabilidade: se você remover as caudas, perderá manobrabilidade. Planejamos usar superfícies de controle de fluidos para reduzir o tamanho das superfícies de controle em geral, bem como o empuxo vetorial, mecanicamente ou por injeção de fluido.
  • Propulsão: precisaremos de motores novos e mais quentes com maior capacidade de geração de energia.
  • Sensores: com o desenvolvimento de antenas de módulos combinando radar, escuta, comunicação e guerra eletrônica. Para sistemas optrônicos, estamos orientados para o multiespectral. Para ouvir, será necessário ouvir todas as bandas, com um esforço a ser feito para as bandas mais baixas. Precisamos de um novo design de antena com mais ganho.
  • Inteligência Artificial: a IA terá diversas aplicações, desde o assistente virtual para o piloto até a adaptação da interface homem-máquina de acordo com a carga cognitiva do piloto, por exemplo, bem como a geração automática de planos de missão pela aeronave, com adaptação de sensores ao ambiente operacional e manutenção preditiva. O uso de AI para explorar os dados do sensor será enorme.
  • Armas: vamos precisar de novos autodiretores multimodo de infravermelho + radar e munições que possam se comunicar umas com as outras para trabalhar de forma cooperativa.
  • Aviões de transporte: com drones não reutilizáveis, de alguns quilos a 1 tonelada, exigirão um esforço significativo na redução de custos, na miniaturização e nos voos de enxame.
  • Conectividade: com um link intra-patrulha de alta velocidade, mas discreto, um link de satélite de alta velocidade, ou até mesmo links ópticos. A arquitetura de rede combinará datacenters e computação de ponta em plataformas voando em rede avançada. A segurança cibernética será uma questão fundamental.
No aspecto da modularidade, que é necessário para ser capaz de se adaptar rapidamente a novas ameaças, pode parecer contraditório ao stealth: na verdade, em uma aeronave furtiva nada é feito externamente, então é difícil adicionar novas capacidades. Nossa resposta está no desenvolvimento de compartimentos modulares com interfaces padronizadas para armas e compartimentos reconfiguráveis ​​para sensores.

Finalmente, no nível das relações Estado/Indústria, precisamos de uma nova abordagem para a engenharia de sistemas para melhor captar a necessidade. Por esse motivo, configuramos pela primeira vez um ambiente de trabalho compartilhado de Estado/indústria com base no software da Dassault. Também usaremos a simulação de ponta a ponta pela primeira vez.

Também devemos buscar criatividade no setor civil, seja confiando-o a fabricantes de nível 1 ou usando aceleradores de inicialização. Por exemplo, para o Plano de Estudos Upstream do “Man-Machine Teaming”, os integradores industriais federaram um ecossistema de PMEs e start-ups, para as quais enviamos uma convocação de projetos, e selecionamos os mais promissores.

Para fazer os vários participantes trabalharem juntos e reduzir os riscos, temos uma política de demonstração, com um demonstrador do futuro avião de caça por volta de 2025, um demonstrador de motor no solo e, mais tarde, talvez um demonstrador de drone de combate.

Pergunta: e quanto à interoperabilidade com o F-35?

Breton:
É essencial ser interoperável porque raramente trabalhamos sozinhos. O F-35 funciona como o iphone, é um sistema cativo. Precisamos impor padrões de intercâmbio mais abertos ao nível da OTAN ou da Europa.

Pergunta: Os combustíveis fósseis ainda serão usados ​​em 2040?

Philippe:
Sim

Pergunta: A introdução completa das forças será em 2040, o que acontecerá nas forças entre agora e então?

Breton:
O Rafale se beneficiará do radar de módulos e de um upgrade de conectividade para integrá-lo ao FCAS. Vamos apresentar aviões de transporte remotos rapidamente para que possamos testá-los em operação. Também integraremos a IA no Rafale por volta de 2025.

FONTE: The Restless Technophil


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas