Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Áustria declara apoio a Guaidó como presidente da Venezuela

O chanceler da Áustria afirmou que conversou com o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e prepara-se a compor o time de várias outras nações da União Europeia que reconhecem Guaidó como presidente interino.


Sputnik

Países europeus como Alemanha, França, Espanha e Grã-Bretanha deram ao governo do presidente Nicolás Maduro um ultimato de oito dias para convocar novas eleições presidenciais.


Resultado de imagem para Sebastian Kurz
Sebastian Kurz | Reprodução

O prazo termina neste domingo e, caso um novo pleito não seja convocado, os países irão adotar a mesma postura dos Estados Unidos — que reconhecem Guaidó como presidente interino.

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, escreveu no Twitter que teve "um ótimo telefonema com o presidente @jguaido [Juan Guaidó]" e disse: "Ele tem todo o nosso apoio para restaurar a democracia".

Kurz acrescentou que "Se Maduro não responder à convocação da UE para eleições presidenciais livres e justas, nós reconheceremos e apoiaremos Juan Guaidó como presidente interino."

A União Européia diz que um recém-formado "Grupo de Contato Internacional" de países europeus e latino-americanos realizará sua primeira reunião no Uruguai na quinta-feira para tratar da crise na Venezuela.

Uma declaração conjunta da chefe da política externa da UE, Federica Mogherini, e do presidente uruguaio, Tabaré Vazquez, afirmou que a reunião em Montevidéu será realizada em nível ministerial.

O grupo inclui a UE e oito de seus países membros — França, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia e Grã-Bretanha — além de países da América Latina como Bolívia, Costa Rica, Equador e Uruguai.

Seu objetivo declarado é "contribuir para criar condições para um processo político e pacífico emergir, permitindo que os venezuelanos determinem seu próprio futuro" através de eleições livres e confiáveis.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas