Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Avião espião dos EUA teria passado horas sobrevoando perto da Venezuela

Nos últimos dias, intensificaram-se voos de aeronave de reconhecimento dos EUA no espaço aéreo internacional perto da costa da Venezuela na tentativa de obter informações confidenciais, comunicou na terça-feira (26) CNN, citando fontes de defesa não identificadas.


Sputnik

As fontes não detalharam quais aviões de reconhecimento dos EUA estavam envolvidos nesta missão, mas relatos não confirmados no Twitter identificaram uma das aeronaves como um Boeing RC-135V.


Avião de reconhecimento norte-americano RC-135
CC BY-SA 2.0 / Flickr / Airwolfhound / RC-135 - RAF Mildenhall

A aeronave teria passado seis horas voando perto da costa venezuelana para receber informações sobre os sistemas de defesa antimísseis do país, incluindo os sistemas de defesa antiaérea S-300 fornecidos pela Rússia.

Os supostos sobrevoos ocorreram depois que o presidente venezuelano Nicolás Maduro, na segunda-feira (25), acusou os EUA de tentar "fabricar uma crise para justificar a escalada política e a intervenção militar na Venezuela, a fim de trazer guerra à América do Sul".

A crise na Venezuela que está em fase aguçada desde 23 de janeiro, quando o líder da oposição Juan Guaidó se declarou presidente interino do país, foi marcada por violentos confrontos no sábado (23), com as tentativas da oposição de entrega de ajuda humanitária, organizada pelos EUA e rechaçada categoricamente pelo presidente venezuelano legítimo, Nicolás Maduro, que acredita que a ajuda humanitária é utilizada como pretexto para iniciar agressão contra seu país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas