Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Bola jogada entre China, EUA, Rússia': política alemã defende criação de exército europeu

Annegret Kramp-Karrenbauer, a sucessora de Angela Merkel na União Democrata-Cristã da Alemanha (CDU), afirmou durante seu primeiro discurso em Bruxelas como líder do partido que a UE deve criar um exército europeu.


Sputnik

De acordo com a política, citada pela edição Financial Times, a criação de um exército europeu paralelamente às forças nacionais seria um passo lógico, "se não quisermos ser bola jogada entre a Rússia e os EUA, e a China e os EUA".


Forças Armadas da Alemanha (foto de arquivo)
Militares alemães © AFP 2018 / John MacDougall

Kramp-Karrenbauer comentou ainda a questão da imigração ilegal, qualificando-a como "um dos maiores desafios do continente europeu por décadas", e pediu o reforço de controle das fronteiras externas da UE, que, de acordo com ela, é essencial para a sobrevivência do espaço Schengen.

"Temos que ter uma resposta comum e isso também deve estar no centro da campanha eleitoral europeia", afirmou.

A política defendeu a ideia apoiada pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Emmanuel Macron, de criação de um exército europeu conjunto, que eles esperam se tornar parte de uma estrutura de segurança transatlântica mais ampla. No início de novembro de 2018, Macron pediu a criação do que ele considera um "verdadeiro exército europeu", destinado a proteger os interesses da união; a ideia foi apoiada por Merkel.

No entanto, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, rejeitou a ideia em novembro, assim como o secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg, que alertou que os esforços da UE não deveriam competir com a aliança, que ele chamou de base da segurança europeia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas