Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Canadá barra jornalistas da Sputnik para reunião do Grupo de Lima sobre Venezuela

O Ministério das Relações Exteriores do Canadá negou o credenciamento de jornalistas da Sputnik e da RIA Novosti para o encontro do Grupo de Lima sobre a Venezuela, em Ottawa.


Sputnik

O porta-voz da chancelaria do Canadá, Richard Walker, explicou ao correspondente da Sputnik que o credenciamento foi negado alegando que a agência de notícias “não tem sido cordial” com a ministra das Relações Exteriores do país, Chrystia Freeland. 


Encontro do Grupo de Lima
© AP Photo / Martin Mejia

"Obrigado pelo interesse no 10° encontro ministerial do Grupo de Lima em Ottawa. Este e-mail é para que vocês saibam que NÃO foram credenciados como mídia", afirmou o MRE do Canadá em carta original, notificando os jornalistas sobre a recusa.

O Grupo de Lima é composto por 14 países-membros e foi criado em agosto de 2017 com o objetivo de promover reformas democráticas na Venezuela.

A maioria dos Estados-membros criticou o governo do presidente venezuelano em exercício, Nicolás Maduro, além de reconhecer o líder da oposição, Juan Guaidó, como o presidente interino do país.

No domingo (3), o canal de televisão venezuelano Telesur afirmou que teve acesso negado para o encontro ministerial do Grupo de Lima pelo governo canadense, que não forneceu qualquer satisfação relacionada à recusa.

A Venezuela está enfrentando diversos protestos contra o governo, tendo Guaidó se declarado presidente interino do país em 23 de janeiro.

O Canadá, assim como os EUA e o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela no mesmo dia da autoproclamação. Enquanto que a Rússia, China e alguns outros países reconhecem Nicolás Maduro como o legítimo presidente bolivariano.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas