Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Candidata a presidente da Ucrânia propõe usar bombas de grafite nas relações com Rússia

A candidata à presidência da Ucrânia Inna Bogoslavskaya, ex-deputada da Suprema Rada (parlamento ucraniano), propôs produzir bombas de grafite para fazer frente à Rússia, segundo uma declaração feita durante os debates na rádio Novoe Vremya.


Sputnik

As bombas de grafite são armas não letais que agem dispersando uma nuvem fina de fibra de carbono sobre componentes elétricos, causando curtos-circuitos e a interrupção do fornecimento de energia elétrica na região indicada.


Bandeira ucraniana do telhado da Suprema Rada, Kiev
Suprema Rada, Kiev © Sputnik / Stringer

A política chamou a criação de tais munições de um dos pontos da sua estratégia em relação a Moscou.

"A Ucrânia deve passar para a produção rápida de novos tipos de armas. As bombas de grafite representam um desafio que recebeu apoio nas relações internacionais. Elas não são proibidas e esse é o nosso caminho", disse Bogoslavskaya.

Além disso, ela incluiu na sua estratégia a declaração obrigatória pelos políticos ucranianos dos seus ativos na Rússia e o reforço das sanções econômicas contra Moscou.

As eleições presidenciais terão lugar na Ucrânia em 31 de março. Até agora foram registrados mais de 25 candidatos, entre os quais o presidente em funções Pyotr Poroshenko.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas