Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

China acusa EUA de querer transformar espaço em 'campo de batalha'

A China acusou nesta terça-feira os Estados Unidos de querer transformar o espaço em um "campo de batalha", depois que o Pentágono divulgou ontem um relatório que incluía a China como possível adversário no domínio do espaço.


EFE

Pequim - "Recentemente, os Estados Unidos definiram o espaço exterior como um campo de batalha e anunciaram a criação de uma Força Espacial. Isto leva à militarização e põe em perigo o espaço exterior", afirmou em entrevista coletiva a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Hua Chunying.


Maquete de foguetes espaciais chineses em foto de 2018. EPA/FOCKE STRANGMANN
Maquetes de foguetes espaciais chineses em foto de 2018. EPA/FOCKE STRANGMANN

Sob o título "Desafios à Segurança no Espaço", o relatório elaborado pela Agência de Inteligência do Departamento de Defesa dos EUA inclui Pequim na lista de quatro possíveis rivais que Washington deveria enfrentar em caso de um ataque que colocasse em perigo seus recursos espaciais.

Em referência a tal documento, Hua ressaltou que contém "alegações infundadas", além de representar um "pretexto" da parte americana para "construir sua força militar" no espaço exterior.

"Se os Estados Unidos estão realmente preocupados com a segurança espacial, deveriam trabalhar com a China" para favorecer "o controle armamentista no espaço, ao invés de fazerem o contrário", ressaltou a funcionária.

Por outro lado, Hua qualificou de injustas as declarações efetuadas ontem em Budapeste, na Hungria, pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que pediu que os países da Europa Central resistam à influência da Rússia e da China, pois estes países "não compartilham os princípios de liberdade".

"Os Estados Unidos fazem o possível para fabricar acusações desse tipo e assim prejudicar as relações da China com outros países. Uma ação assim não é justa nem moral, e não corresponde com a posição dos Estados Unidos como potência", opinou Hua.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas