Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Colaboradores belgas de Adolf Hitler ainda recebem pensão por 'lealdade', expõe mídia

Bônus de fidelidade, que nunca foi tributado, corresponde a uma promessa de Hitler a um grupo de belgas que o prometeram lealdade. Mesmo 75 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, eles ainda recebem o que o líder nazi os prometeu, reporta o jornal De Morgen.


Sputnik

A mídia detalha que 27 belgas ganham entre € 425 e € 1.275 (R$ 1.800 e R$ 5.400) por mês do governo alemão.


Adolf Hitler e Rudolf Hess durante parada militar em Berlim, em 1938
© AP Photo 

O subsídio era para garantir "fidelidade, lealdade e obediência" deles a Adolf Hitler no âmbito do decreto nazista que continua em vigor mesmo após sete décadas da queda do Terceiro Reich.

O investigador Alvin de Coninck, citado pelo jornal, explica que as pessoas que foram qualificadas para receber a "pensão de Hitler" eram belgas que aderiram às Waffen-SS (braço armado da tropa de proteção de Hitler) ou então residentes das regiões fronteiriças da Bélgica, que adquiriram a nacionalidade alemã durante a ocupação nazista.

Em comparação ao pós-guerra, os belgas que foram forçados a trabalhar na Alemanha durante a ocupação receberam apenas 50 euros por mês, enquanto os beneficiários do subsídio de fidelidade nunca foram tributados sobre este rendimento adicional, uma vez que a embaixada alemã não comunicou os seus nomes ao governo belga, de acordo com o investigador.

A exposição dessa informação polêmica na Bélgica ocasionou que deputados locais exigissem que o acordo bizarro terminasse, e já na terça-feira (19), uma resolução foi introduzida no parlamento pedindo ao governo "que resolva este problema diplomaticamente e com urgência".

No entanto, estas pessoas não são as únicas que recebem este tipo de subsídio. Previamente, o jornal espanhol ABC publicou um artigo em que elogiava o "heroísmo" de voluntários que lutaram pelo líder nazista. Em 2015, cerca de 100 mil euros dos contribuintes alemães foram pagos aos espanhóis que se inscreveram na famosa Divisão Azul que lutou contra o Exército Vermelho entre 1941 e 1944, sendo o dinheiro posteriormente dividido entre 41 veteranos, oito viúvas e um órfão.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas