Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Comandante: 'Irã gasta US$ 7-8 bi em defesa contra inimigos que gastam US$ 100 bi'

O Irã transformou-se de um país com "máxima confiança" nos Estados Unidos para uma grande potência no sudoeste da Ásia, disse o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, major-general Mohammad Baqeri.


Sputnik

Falando na Universidade Shahid Sattari de Engenharia Aeronáutica na terça-feira em um evento dedicado às comemorações do 40º aniversário da Revolução Iraniana, o oficial descreveu os eventos revolucionários como um "milagre divino".


Oriente Médio
CC0

"Em qualquer momento da história, os inimigos da Revolução fizeram o que tinham à sua disposição", mas sem sucesso, disse Baqeri, segundo a Press TV. "É uma grande honra para a nação iraniana que hoje se transformou em uma grande potência no sudoeste da Ásia depois de passar por dois séculos de humilhação", acrescentou, referindo-se em particular à "era negra" enfrentada pelo regime xaísta de Shahl Pahlavi.

Segundo Baqeri, o Irã deve sua segurança a suas forças armadas que permitiram ao país ter estabilidade apesar de estar "na região mais insegura do mundo" e de sua indústria militar, que permite ao Irã enfrentar adversários regionais como a Arábia Saudita, Emirados Árabes e Israel, que gastam pelo menos US$ 100 bilhões por ano em defesa.

O comandante também repreendeu os EUA por seu enorme orçamento militar. "A cada ano, mais de US$ 700 bilhões são gastos pelas Forças Armadas dos EUA, que não têm planejamento adequado", disse ele.

Com um orçamento de defesa de US $ 7-8 bilhões por ano, o Irã produz quase 90% de seu equipamento militar no país, disse Baqeri.

No sábado, o Irã revelou um novo míssil de cruzeiro apelidado de Hoveyzeh, com alcance de mais de 1.350 km e a capacidade de voar em baixas altitudes para evitar a interceptação. O respeitado site de inteligência militar israelense DEBKAfile alertou que o míssil, que poderia chegar a Israel, provavelmente não pode ser interceptado por sistemas de defesa de mísseis israelenses ou norte-americanos.

O Irã tem um grande arsenal de sistemas de mísseis convencionais de curto, médio e longo alcance desenvolvidos domesticamente. Os Estados Unidos, Israel, a Arábia Saudita e a União Europeia argumentam que essas armas representam uma ameaça à segurança regional. O Irã insiste que os mísseis são uma ferramenta de dissuasão contra o ataque do inimigo e que a posse desses armamentos "não é negociável" para a República Islâmica.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas