Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Como o Irã mantém viva sua velha frota de caças F-5

Em 3 de novembro de 2018, a chamada linha de produção em massa para o avião de treinamento de combate Kowsar I fabricado no Irã foi apresentada durante uma cerimônia pública para enfatizar a auto-suficiência da nação. O evento ocorreu apenas um dia antes de o presidente dos EUA, Donald Trump, reimpor severas sanções econômicas e industriais ao Irã.


Por Babak Taghvaee | Aviation Week & Space Technology | Poder Aéreo

O projeto “Kowsar I”, formalmente divulgado apenas alguns meses antes pelo Ministério da Defesa iraniano, não está focado na produção de clones do Northrop F-5E/F Tiger II, mas trata-se de dar nova vida à frota existente de 58 jatos Tiger II agora em serviço com a Força Aérea Iraniana, de acordo com funcionários da Iran Aircraft Manufacturing Industrial Co. e dependendo da situação política no Irã, eles podem acabar em serviço até a década de 2040.

O primeiro protótipo do Projeto Kowsar iniciou voos de teste em agosto de 2018. Foto: Kayvan Tavakkoli

A Força Aérea da República Islâmica do Irã (IRIAF) tem 325 aviões de combate; a mais fácil de operar e manter entre eles é a frota de 44 F-5E e 14 F-5Fs. Esses 58 F-5E/F são o que resta de uma compra do governo imperial do Irã sob o programa de vendas militares dos EUA na década de 1970. Eles foram planejados como uma solução interina até que o primeiro lote de 140 caças Lockheed Martin F-16 A/B fosse entregue e deveriam ser retirados de serviço depois de 1984.

Mas a queda do governo imperial secular do Irã e a ascensão de sua República Islâmica acabaram com todos os programas militares anteriores. Como resultado, os F-5E/F permaneceram em serviço por quatro décadas e agora compõem o núcleo da frota de caças da IRIAF.

O que se seguiu nos anos seguintes foi um estudo sobre como o Irã, em grande parte isolado dos fornecedores dos EUA, manteve as aeronave em voo – com esforços de engenharia reversa e programas de modernização.

O primeiro, o Projeto Saeghe 80, foi um upgrade de estrutura que se originou de antigos engenheiros e projetistas da Northrop. Outra equipe contratou a China’s National Aero-Technology Import and Export Corp. (Catic) para buscar aviônicos e atualizações de armas sob o nome Silk Road II (SR.II).

As equipes usaram o primeiro avião de engenharia reversa F-5E Azarakhsh como bancada de testes do projeto. Embora os protótipos do projeto SR.II tenham sido apresentados em 2007 como caças Azarakhsh, o programa foi logo cancelado.

Foi um pouco revivido mais tarde naquele ano por Ali Khamenei, o líder supremo da República Islâmica do Irã. Khamenei visitou o complexo Owj da IRIAF no Aeroporto Internacional de Mehrabad, em Teerã, onde três F-5E foram convertidos nos três protótipos SR.II; outros três F-5Es se tornaram o Saeghe. Khamenei ordenou que o Owj compartilhasse sua experiência e conhecimento com a Iran Aircraft Manufacturing Industries (IAMI) para continuar os projetos Saeghe e SR.II em suas instalações em Shahin Shahr, Isfahan.

Em 2009, tanto a Iran Electronics Industries (IEI) quanto a Isfahan Optics Industries contrataram 10 das principais universidades iranianas, 72 empresas de capital fechado, 44 ​​fornecedores e 63 fundações científicas e de pesquisa para ajudar no projeto e desenvolvimento de cada parte do novo pacote de aviônicos dos F-5E/F iranianos que seriam baseados no trabalho SR.II cancelado da Catic.

Uma família de upgrades F-5F estava sendo executada em uma linha separada. Em 2005, a IRIAF tinha apenas 15 F-5F e buscou mais. O complexo Owj foi designado para modernizar cinco novos F-5F para o padrão SR.II. O avião foi concluído em 2016, mas atrasou porque seu motor designado, o turbojato General Electric J85-GE21, estava indisponível.

Testes terrestres foram adiados para 2017, quando um par de J85-GE-21 iranianos foram instalados no avião. Os J85-GE-21 foram produzidos pela Iranian Turbine Industries Organisation em cooperação com o Owj da IRIAF. Cerca de 20% das peças do motor foram adquiridas através da base de fornecimento da General Electric; os 80% restantes foram produzidos no Irã pelo complexo Owj, de acordo com um funcionário da Owj.

Em 2012, a IAMI iniciou a conclusão da construção do primeiro F-5F do projeto SR.II, que mais tarde se tornou o primeiro protótipo do Projeto Kowsar-I. Em 2017, o projeto para modernizar os F-5E/F da IRIAF foi apelidado de Kowsar com a intenção de semear confusão com o nome de um programa de desenvolvimento de um jato de treinamento avançado iraniano chamado Kosar-88.

O protótipo inicial do Projeto Kowsar registrou seu primeiro voo em 5 de agosto de 2018, e depois de mais três voos de teste foi transferido para a fábrica de Mehrabad International para ser revelado como um avião de combate iraniano durante uma cerimônia oficial na primeira fábrica da Iranian Aircraft Industries. O projeto Kowsar é mais precisamente descrito como uma modernização do F-5 Tiger II do Irã, e é considerado uma conquista autóctone.

O projeto não é totalmente feito e produzido no Irã, no entanto. De acordo com a IAMI, a fiação, estrutura e fuselagem do primeiro Kowsar I é totalmente produzida no Irã, enquanto 95% de seus sistemas aviônicos são iranianos, assim como 75% de seus outros componentes. Também 90% de seus turbojatos Owj J85-GE-21 são fabricados no país. Este é um progresso significativo em comparação com os projetos anteriores. Apenas 50% dos componentes do Saeghe II, que acrescentou um estabilizador vertical duplo ao F-5F, e apenas 30% dos componentes do Saeghe I – o produto do Projeto Saeghe-80 – foram fabricados no Irã. Os motores J85-GE-21 foram totalmente fabricados nos EUA.

A complexidade e o custo de converter a frota em caças com estabilizadores duplos levaram a IRIAF a parar de converter os F-5E/F em Saeghes. O orçamento restrito da força aérea significava que a IRIAF não podia mais fabricar aeronaves totalmente novas.

Desde novembro, a linha de produção em massa dos caças Kowsar-I tem se concentrado no primeiro protótipo, mais quatro F-5F e dois F-5Es. A próxima etapa será a atualização de 57 F-5E/F e sete Saeghe I/II em 10 anos (cerca de seis aeronaves por ano). Orçamentos limitados podem esticar a linha do tempo para 2040, quando a IRIAF operaria 71 F-5E/F e Saeghes, todos atualizados para os padrões Kowsar I e II.

O Kowsar-I agora está equipado com um radar fabricado pela IEI, que foi derivado de uma cópia chinesa do Grifo italiano 7. Ele está atualmente instalado nos três protótipos do SR.II. A variante chinesa tem um alcance máximo de detecção de 55 km (34 milhas) – quase três vezes mais do que a dos radares AN/APQ-153 originais nos F-5E/Fs iranianos. Similar ao SR.II, o sistema de armas da Kowsar permite que ele use Sidewinders AIM-9J fabricados nos EUA e os mísseis ar-ar de curto alcance guiados por infravermelho PL-5C fabricados na China. Todos os Kowsar I/II também serão equipados com receptores de alerta de radar 930-4 fabricados no Irã e dois dispensadores de chaff/flare 941-4AC para proteção contra mísseis.

No painel de instrumentos, o Kowsar I possui três monitores multifuncionais de cristal líquido (MFD) que exibem radar, atitude e dados horizontais, GPS e navegação por satélite russa Glonass, um mapa móvel integrado, painel de armamento, informações do sistema de combustível e muito mais. Um par de pequenos tubos de raios catódicos (CRT) mostra o desempenho do motor. Indicadores secundários pequenos e analógicos foram mantidos. Todos os interruptores para os sistemas de combustível externo e interno, bem como para a temperatura da cabine, pressurização, desembaçamento do canopy e anti-gelo permanecem no painel frontal do instrumento. Na cabine traseira, o Kowsar I tem quatro MFDs grandes e dois pequenos MFDs CRT para instrumentação do motor.

Se a Força Aérea Iraniana não tiver a oportunidade de reconstruir, seus 71 F-5E/F e Saeghe I/II – todos modernizados sob o Projeto Kowsar – serão a espinha dorsal de sua frota de caça nas décadas de 2030-40. Se for esse o caso, o Irã terá os F-5 mais antigos do mundo ainda em serviço operacional.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas