Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Corrida armamentista? EUA criam míssil hipersônico para competir com China e Rússia

Heather Wilson, secretária da Força Aérea dos EUA, disse que os EUA estão mais próximos de desenvolver um míssil hipersônico, com uma velocidade cinco vezes superior à do som.


Sputnik

Durante o discurso no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais na sexta-feira (8), Wilson afirmou que todos os esforços estão sendo feitos para acompanhar as outras nações no desenvolvimento de novos sistemas de mísseis.


F-35A Lightning II disparando míssil AMRAAM na costa da Califórnia durante teste, em 30 de outubro de 2014
Lançamento de míssil AMRAAM por um F-35 Lightning II © US Air Force

A secretária informou que a Força Aérea dos EUA opera atualmente 80 satélites no espaço, além de sugerir que a Rússia também está criando novos sistemas de mísseis depois que o Estado americano anunciou planos de retirada do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

O embaixador norte-americano Robert Wood, representante permanente dos EUA na Conferência sobre Desarmamento, declarou na quinta-feira (7) em Genebra que talvez Washington possa reconsiderar sua retirada do tratado INF, "se a Rússia retornar ao cumprimento total e verificável" do acordo, adicionando que está é "a última oportunidade de a Rússia retornar à conformidade".

Ainda antes dos EUA terem anunciado a sua saída do tratado, Moscou e Washington se acusavam repetidamente de violar o INF.

Diante da proposta de deixar o tratado ou seguir as regras americanas, dentro de um prazo de seis meses, a Rússia negou ter violado o tratado e anunciou ter começado a desenvolver novos sistemas de armas para acompanhar os EUA e a China.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas