Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

EUA anunciam saída de acordo de desarmamento com a Rússia

Trump cumpre ameaça e comunica retirada do Tratado INF, de eliminação de mísseis de médio alcance, após acusar Moscou de desrespeitá-lo. Pacto foi marco da Guerra Fria e é fundamental para a segurança na Europa.


Deutsch Welle

A Casa Branca anunciou nesta sexta-feira (01/02) que os Estados Unidos vão deixar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, também conhecido como Tratado INF, assinado em 1987 com a então União Soviética.


default
Trump: "Processo de retirada será concluído em seis meses a não ser que Rússia volte a respeitar tratado"

Segundo a Casa Branca, a decisão será implementada em seis meses, a não ser que a Rússia "volte a respeitar o tratado" nesse período. Logo em seguida, a Otan afirmou que apoia a decisão americana. O tratado prevê que um rompimento unilateral seja comunicado com seis meses de antecedência.

"Amanhã [sábado], os Estados Unidos vão suspender suas obrigações sob o Tratado INF e começar o processo de retirada, que será concluído em seis meses a não ser que a Rússia volte a respeitá-lo por meio da destruição de todos os mísseis, lançadores e equipamentos associados que o violam", afirma o comunicado.

O presidente Donald Trump acusou a Rússia de violar o tratado e, por isso, já havia ameaçado deixá-lo. A Casa Branca dera prazo de 60 dias, até este sábado, para que a Rússia cedesse. O Kremlin nega que esteja desrespeitando o acordo. Negociadores veem poucas chances de os dois lados se acertarem.

Em Berlim, a chanceler federal Angela Merkel afirmou que a Rússia violou os termos do tratado e tem, agora, um prazo de seis meses para atuar e evitar que a saída americana se concretize.

Especialistas temem uma nova corrida armamentista se o anúncio se concretizar. Além disso, muitos analistas avaliam que os americanos não têm mais interesse no acordo por ele não incluir a China, que teria cerca de 2 mil mísseis dentro do alcance previsto no tratado.

Os americanos e a Otan acusam a Rússia de desrespeitar o tratado com os mísseis do tipo 9M729 (SSC-8), que teriam alcance de 2.600 quilômetros, no mínimo, e poderiam atingir qualquer grande cidade europeia. A Rússia afirma que o alcance desses mísseis está abaixo de 500 quilômetros.

A União Europeia (UE) apelou aos Estados Unidos e à Rússia para que cumpram na íntegra o Tratado INF, realçando que a Europa não quer ser um campo de batalha. "Nós valorizamos muito o acordo e esperamos e insistimos que seja mantido em total conformidade por ambas as partes", salientou a alta representante da UE para a Política Externa, Federica Mogherini, após uma reunião informal com os ministros europeus do Exterior em Bucareste, na Romênia. A chefe da diplomacia europeia afirmou que "a Europa é a região que mais beneficiou com esse acordo".

O Tratado INF foi assinado em 1987, ainda com a União Soviética, pelos então presidentes Ronald Reagan e Mikhail Gorbachov em Washington. Ele prevê a eliminação de mísseis lançados de solo com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros e foi o primeiro acordo de desarmamento selado durante a Guerra Fria por ambos os países.

O Tratado INF é visto como fundamental para a segurança na Europa. Para compensar o seu fim, países europeus poderão se ver obrigados a investir em armas nucleares para efeitos de dissuasão.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas