Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

EUA enviam destróier ao mar Negro pela 2ª vez

O destróier norte-americano USS Donald Cook se dirigiu ao mar Negro pela segunda vez desde o início do ano, informou o site da Sexta Frota dos Estados Unidos.


Sputnik

"Cada visita aqui nos dá uma oportunidade única de cooperar com os nossos parceiros marítimos regionais", declarou o comandante Matthew Powel.


Destróier de mísseis norte-americano USS Donald Cook da classe Arleigh Burke (foto de arquivo)
USS Donald Cook | CC0 / Fotos da Marinha dos EUA

Segundo o comunicado, essa passagem reforçará a estabilidade na região. Planeja-se que o Donald Cook realize manobras conjuntas com os aliados da OTAN e outros parceiros.

Os representantes do Centro de Gerenciamento de Defesa Nacional afirmaram que os navios russos estão controlando as ações do destróier norte-americano. O controle direto é realizado pelo navio de mísseis pequeno Orekhovo-Zuevo e pelo navio de reconhecimento Ivan Khurs.

Em janeiro, o Donald Cook já tinha entrado no porto de Batumi e participado de exercícios com dois navios da Guarda Costeira da Geórgia. O acontecimento provocou uma reação negativa da parte russa.

O senador Aleksei Pushkov assinalou que tais passagens não qualquer relação com a manutenção da segurança e aconselhou os EUA a "ficarem mais longe do nosso litoral".

O deputado da Crimeia Mikhail Sheremet chamou atenção ao fato de que Washington começou a abusar do espirito pacífico e de contenção da Rússia. Ele acrescentou que a política agressiva dos EUA não pode continuar infinitamente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas