Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

EUA manterão 200 soldados na Síria após retirada das tropas

Cerca de 200 soldados dos Estados Unidos permanecerão na Síria depois que as tropas de Washington deixarem o país, afirmou a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, em comunicado nesta quinta-feira (21).


Sputnik

"Um pequeno grupo de manutenção da paz de cerca de 200 pessoas permanecerá na Síria por um período de tempo", disse Sanders, de acordo com a CBS.


Resultado de imagem para Sarah Sanders
Sarah Sanders | Reprodução

Mais cedo, a Casa Branca disse que o presidente Donald Trump e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, conversaram por telefone sobre uma possível criação de uma zona segura no norte da Síria.

Além disso, altos funcionários do Departamento de Defesa dos EUA receberão seus colegas turcos nesta semana para conversas sobre o conflito na Síria, segundo a Casa Branca.

Trump anunciou em dezembro que os Estados Unidos deixariam a Síria. No entanto, nenhum cronograma exato para o retorno dos 2 mil soldados foi anunciado.

As tropas dos EUA operam na Síria como parte de uma coalizão internacional há cerca de cinco anos sem a permissão das autoridades sírias ou do Conselho de Segurança da ONU. Os Estados Unidos apoiaram, em particular, a milícia curda que controla os territórios a leste do Eufrates e se opõe ao governo sírio.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas