Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

EUA não vão instalar armamentos nucleares na Europa, diz subsecretário de Defesa

Os Estados Unidos não têm planos de instalar mísseis ou sistemas nucleares armados na Europa após a saída do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), afirmou em um fórum o subsecretário de Defesa dos EUA, David Trachtenberg.


Sputnik

No início do dia, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que os Estados Unidos suspenderão suas obrigações sob o Tratado INF neste sábado e iniciarão o processo de retirada dentro de seis meses.


Maquete de míssil nuclear Minuteman III usado para treinamento de equipes de manutenção de mísseis é visto na base da Força Aérea F. E. Warren, Wyo. ( foto de arquivo)
© AP Photo / Robert Burns

"Não há planos para avançar e implantar mísseis na Europa ou sistemas nucleares armados na Europa", informou Trachtenberg nesta sexta-feira.

A situação atual, ele acrescentou, não se parece em nada com as circunstâncias que levaram ao Tratado INF nos anos 80.

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia afirmou, em comunicado, que os Estados Unidos saíram do Tratado INF porque querem impor ao mundo um conjunto de regras que satisfaz as necessidades oportunistas da política externa de Washington.

O ministério russo também disse que Moscou consistentemente, contínua e incondicionalmente cumpre seus compromissos no campo do controle de armas, desarmamento e não-proliferação.

O Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e União Soviética em 1987, proíbe todos os mísseis balísticos lançados no solo, com intervalos entre 310 e 3.400 milhas.

Os Estados Unidos afirmaram repetidamente que o alcance do míssil 9M729 da Rússia viola os limites do tratado, alegações que Moscou negou citando falta de provas. A Rússia reclamou que os sistemas de defesa dos EUA na Europa estão equipados com lançadores capazes de disparar mísseis de cruzeiro em faixas intermediárias.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas