Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

EUA planejam apresentar resolução contra Maduro no Conselho de Segurança da ONU

Os EUA planejam votar a favor de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que manifeste "profunda preocupação" com a situação humanitária na Venezuela, incluindo as "recentes tentativas de bloquear a entrega de ajuda humanitária", informou a edição Bloomberg.


Sputnik

Segundo uma cópia do documento obtido pela Bloomberg, a resolução também apela para "o início imediato de um processo político conducente a eleições presidenciais livres, justas e credíveis" na Venezuela.


Apoiadores do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, seguram bandeira enquanto participam de protesto contra o governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela, 30 de janeiro de 2019
© REUTERS / Manaure Quintero

O documento também acusa o governo de Maduro de causar "um colapso econômico" no país, o que forçou milhões de refugiados e migrantes a deixar a Venezuela "em busca de comida, medicamentos básicos e oportunidades em outros países da região".

Para que a resolução seja aprovada, são necessários nove votos a favor e nenhum voto de oposição de qualquer um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança: Rússia, EUA, Reino Unido, França e China.

Hoje (10), uma fonte diplomática disse à Sputnik que a Rússia preparou seu próprio projeto de resolução para ser apresentado no Conselho de Segurança da ONU "em apoio à Venezuela".

Anteriormente, a mídia informou que caminhões dos EUA com comida e medicamentos para a Venezuela chegaram à cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta. Entretanto, os caminhões teriam sido bloqueados na ponte fronteiriça Las Tienditas pelos militares venezuelanos para que eles não entrem na Venezuela.

Segundo o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, as declarações sobre a crise humanitária no país são "apenas um disfarce para os planos militares" do governo americano, acrescentando que "toda a crise na Venezuela é resultado da imposição de sanções e de bloqueio financeiro pelos EUA".

A crise política venezuelana se agravou em 23 de janeiro, depois que o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos antigovernamentais realizados nas ruas de Caracas.

O líder da oposição tem sido apoiado pelos EUA, Brasil e outros países. A Rússia, China, México e Turquia estão entre as diversas nações que manifestam seu apoio a Maduro como o chefe de Estado legitimamente eleito do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas