Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

F-35 ainda tem canhão defeituoso e baixa disponibilidade para missões

A frota do F-35 Joint Strike Fighter ainda não tem uma taxa de disponibilidade de aeronaves adequada, de acordo com o escritório de testes do Departamento de Defesa dos EUA.


Poder Aéreo

O caça de quinta geração teve uma tendência “plana” nas taxas de capacidade nos últimos três anos, de acordo com um recente relatório operacional, de teste e avaliação. Mesmo quando os serviços militares se concentram em iniciativas de melhoria, eles “ainda não estão se traduzindo em melhor disponibilidade”, afirmou o relatório.



“A disponibilidade média de toda a frota está abaixo do valor alvo do programa de 60% e bem abaixo dos 80% planejados necessários para a condução eficiente do [Teste Operacional Inicial e Avaliação, ou IOTE – Initial Operational Test and Evaluation]”, disse o relatório DOT&E 2018, segundo a Bloomberg, primeira a relatar a notícia.

Apenas as versões da Força Aérea e do Corpo de Fuzileiros Navais alcançaram o status pronto para o combate (IOC). A Marinha deverá declarar capacidade operacional inicial este mês.

Os primeiros lotes da variante F-35B dos Marines provaram ter uma vida útil menor do que a esperada.

A “aeronave F-35B de produção antecipada está bem abaixo da expectativa de vida útil de 8.000 horas de voo, e pode chegar a 2.100 horas de voo”, afirma o relatório.

Se os jatos de decolagem curta e pouso vertical não forem atualizados adequadamente, isso pode significar que suas horas de voo atingirão o limite em 2026, disseram as autoridades.

Em um comunicado enviado ao site Military.com, a Lockheed disse que a empresa está comprometida em atingir a marca de 8.000 horas:

“As modificações planejadas e o gerenciamento da frota do contrato antecipado das aeronaves F-35B garantirão que atendam ao requisito de vida útil de 8.000 horas, e a entrega de aeronaves hoje incorpora essas mudanças de projeto no processo de construção para garantir que atinjam 8.000 horas ou mais.”

O escritório do DOT&E disse que vai monitorar o progresso através do Escritório Conjunto de Programas (JPO).

“O Escritório do Programa Conjunto F-35 continuará a usar o Rastreamento Individual de Aeronave (TAI) de uso real para ajudar os serviços a projetar mudanças no tempo necessário para reparos e modificações, e ajudar na Gestão de Frotas”, disse o DOT&E.

Enquanto isso, a variante F-35A da Força Aérea não atingiu os padrões do escritório para seu canhão interno GAU-22/A, disseram os assessores.

“Com base nos testes de canhão do F-35A até setembro de 2018, o DOT&E atualmente considera a precisão da arma, instalada no F-35A, inaceitável”, afirma o relatório.

O canhão sofreu com problemas que “resultam em erros de alinhamento do nariz”, bem como alertas de cockpit de “canhão inseguro”.

Questionado sobre o relatório, o tenente-general Arnold Bunch, vice-diretor do Departamento de Aquisição do Pentágono, disse que a alta liderança está dando mais ênfase ao programa enquanto continua trabalhando com o Escritório do Programa Conjunto (JPO) e a fabricante Lockheed Martin Corp.

Bunch, que foi indicado para conquistar sua quarta estrela e assumir o Air Force Materiel Command, disse que o objetivo é atingir a “taxa de 80 por cento da missão” estabelecida pelo então secretário de Defesa Jim Mattis em outubro, pelo menos para aeronaves codificadas para combate.

“Estamos trabalhando em muitas iniciativas diferentes”, disse ele em um café da manhã da Associação da Força Aérea em Washington, D.C.

“Estamos trabalhando em um plano de suporte ao ciclo de vida agora” com o JPO e a Lockheed, disse ele, acrescentando que o plano difere muito dos anteriores, mas se recusa a elaborar porque “ainda está em revisão”.

“Estamos definindo cronogramas e calendários para quando chegarmos a cronogramas, datas, marcos para fazer as coisas, de modo que estamos vendo que estamos obtendo as melhorias de desempenho que estamos antecipando”, disse Bunch.

Mattis queria que os serviços aumentassem as taxas de missão para a frota do F-35 e outros caças a mais de 80% em um único ano, exigindo que a Força Aérea e a Marinha aumentassem a manutenção e sustentação de dezenas de aeronaves de quarta e quinta geração.

Bunch disse que a Força Aérea e o Departamento de Defesa como um todo estão “empurrando” essa taxa de 80%. “É um desafio, mas esse é o objetivo em que estamos”, disse ele.

Em um comunicado, um porta-voz da Lockheed disse que a empresa está se comunicando com os serviços para obter um melhor status de prontidão para toda a frota.

“Com maior confiabilidade, aeronaves mais novas agora têm em média mais de 60 por cento de taxas com capacidade de missão, com alguns esquadrões operacionais perto de 70 por cento”, disse o comunicado.

“Enquanto esperamos os detalhes completos da fase de testes operacionais em andamento, estamos ativamente aprimorando todos os aspectos do F-35 para garantir que ele exceda as demandas dos combatentes e supere as ameaças em evolução. Os itens identificados no relatório anual do DOT&E são bem compreendidos e foram resolvidos em parceria com o Escritório Conjunto de Programas do F-35 ou têm um caminho acordado para a resolução”, acrescentou.

O programa JSF, que deve custar US$ 1 trilhão ao longo de sua existência, continua na sua fase formal de testes operacionais, que entrou em dezembro.

FONTE: Military.com

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas