Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Finlândia admite culpa em massacres de judeus e soviéticos na Segunda Guerra Mundial

Os soldados voluntários finlandeses, que serviram na divisão Wiking da Waffen-SS nazista durante a Segunda Guerra Mundial, "muito provavelmente" participaram dos assassinatos em massa de judeus, civis e prisioneiros de guerra, informou um relatório do Arquivo Nacional da Finlândia nesta sexta-feira.


Sputnik

O Batalhão de Voluntários Finlandeses das Waffen-SS operou na Frente Oriental Alemã entre 1941 e 1943. Fazia parte da divisão Waffen-SS Wiking, que também incluía voluntários de países escandinavos e bálticos, holandeses e ucranianos.


Bandeira da Finlândia
© flickr.com/ CGP Grey

O relatório sobre o envolvimento dos finlandeses nos crimes da Segunda Guerra Mundial foi encomendado pelo gabinete do primeiro-ministro Juha Sipilä, depois que Efraim Zuroff, diretor do Centro Simon Wiesenthal, solicitou ao presidente Sauli Niinisto, em janeiro de 2018, que lançasse um inquérito oficial relevante.

"O relatório complementa a informação disponível sobre a morte sistemática de judeus e outros civis como parte do ataque da Alemanha contra a União Soviética em junho de 1941", informou o gabinete do primeiro-ministro, publicando o relatório em seu site oficial.

Jussi Nuorteva, diretor-geral do Arquivo Nacional da Finlândia, observou que os finlandeses eram "muito provavelmente" culpados por parte dos crimes nazistas, alegando que eles não sabiam inicialmente dos objetivos dos alemães.

"No início do ataque, os finlandeses não sabiam da meta dos alemães de erradicar os judeus. É muito provável que eles tenham participado do assassinato de judeus, outros civis e prisioneiros de guerra como parte das tropas alemãs da SS. Principalmente, os finlandeses tinham uma visão negativa sobre essas ações", disse Nuorteva, conforme citado na declaração do escritório.

Nuorteva prosseguiu afirmando que "o ponto de partida para o envolvimento dos finlandeses era diferente em comparação com a maioria dos outros países que se uniram aos voluntários estrangeiros da SS".

"Os finlandeses estavam acima de tudo interessados ​​em lutar contra a União Soviética. Isso se deveu às experiências da Guerra de Inverno e à percepção de ameaça causada pela União Soviética […] O objetivo da Finlândia era fornecer treinamento militar às tropas do país", acrescentou.

O relatório é baseado em "materiais complementares significativos" de arquivos estrangeiros na Rússia, Ucrânia, Alemanha, Holanda e países do norte da Europa, de acordo com a declaração.

O documento, publicado em inglês, está disponível no site do Arquivo Nacional da Finlândia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas