Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Força Aérea Francesa treina ataque nuclear de longo alcance

A Força Aérea Francesa realizou com sucesso uma missão de ataque nuclear, enviando aeronaves em uma missão de 11 horas para lançar um míssil de cruzeiro nuclear através de defesas aéreas inimigas simuladas e atingir as areias de uma área de testes ao sul de Bordeaux.


Poder Aéreo

A missão de 4 de fevereiro, anunciada pelo Ministério das Forças Armadas como “representante da operação”, apresentava um caça Rafale lançando um míssil ASMP-A, fabricado pela MBDA. Autoridades projetaram o exercício para incluir “todas as fases características de uma missão de dissuasão nuclear”, incluindo o sucessivo reabastecimento com aviões-tanque C-135 e A-330 antes de lançar o míssil – sem uma ogiva nuclear – em uma área de teste de mísseis perto da cidade de Biscarrosse.

Rafale com o míssil nuclear ASMP
Rafale com o míssil de cruzeiro nuclear ASMP

“Este sucesso reforça a credibilidade técnica e operacional da dissuasão que o componente aerotransportado tem mantido continuamente através da Força Aérea desde 1964”, diz um comunicado do Ministério das Forças Armadas de 5 de fevereiro.

Além da capacidade de dissuasão aérea, os militares franceses têm submarinos capazes de disparar mísseis com ogiva nuclear.

O teste de segunda-feira veio dias depois que a Rússia e os Estados Unidos disseram que abandonariam um acordo fundamental de controle de armas que manteve a Europa livre da ameaça de armas nucleares de alcance intermediário por décadas.

Em um aparente esforço para conter o surgimento de um movimento de retaliação dirigido à Rússia, a declaração do ministério francês enfatiza que a missão de teste havia sido planejada há muito tempo.

“Não há razão para acreditar que o momento do teste tenha sido devido a qualquer outra que não operacional ou técnica”, concordou Bruno Tertrais, vice-diretor do centro de estudos da Fundação para a Pesquisa Estratégica, em Paris. Ele disse que testes semelhantes ocorrem aproximadamente uma vez por ano.

“A alternativa teria sido cancelar o teste por medo de que fosse entendido como resposta às suspensões da INFT – isso teria sido bastante ridículo”, disse Tertrais ao Defense News, usando a abreviação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário de 1987.

FONTE: Defense News

Comentários

Postagens mais visitadas