Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Grupo de Lima prepara guerra contra Venezuela, diz ativista; Canadá descarta uso da força

O Grupo de Lima se reuniu nesta segunda-feira em Ottawa, no Canadá, para planejar um ataque militar contra a Venezuela, disse um membro da coalizão Hands Off Venezuela (Tirem as Mãos da Venezuela) à Sputnik durante uma manifestação em rejeição ao encontro organizado pelo Canadá.


Sputnik

O grupo está preparando "uma guerra estúpida e mortal (contra a Venezuela) por trás desses muros", declarou Pierre LeBlanc enquanto se manifestava com outras pessoas fora da sede da chancelaria canadense, onde foi realizada a décima reunião do Grupo de Lima, uma instância de 14 países americanos criada em 2017 para acompanhar e buscar uma solução "democrática" para a crise venezuelana.


Bandeira Nacional da República Bolivariana da Venezuela
© flickr.com / Cristóbal Alvarado Minic

O ativista explicou que a manifestação buscava "apoiar a Venezuela" e deixar claro ao governo do Canadá que a reunião do Grupo de Lima "não é legal, porque é uma violação das leis do direito internacional e de todas as regras das Nações Unidas" de respeito pela integridade do território dos países e pelo direito do povo de escolher seu governo e seu sistema econômico por conta própria".

O Grupo de Lima é composto por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Guiana e Santa Lúcia.

O México não participou de reuniões recentes desde que um novo governo tomou posse em dezembro, e a Guiana e Santa Lúcia não participaram da reunião em Ottawa.

LeBlanc acrescentou que os EUA, o Canadá e o resto dos países do Grupo de Lima querem "destruir o sistema de organização e governo da Venezuela".

"A Venezuela é um exemplo de outra maneira de organizar a vida e os serviços [da população], com muito mais sucesso, e isso é muito perigoso para os países que querem manter as coisas", afirmou o ativista.

LeBlanc também acolheu as posições do Uruguai e do México, que não reconheciam Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, como o legítimo presidente da Venezuela e estão pedindo o diálogo no país caribenho.

"É uma boa alternativa, um bom caminho que pode dar esperança para encontrar uma solução", pontuou.

Ele também enfatizou que "os interesses" da Rússia e da China sobre a Venezuela "não são os mesmos que os dos EUA", então pode haver "uma possibilidade de solidariedade entre essas regiões e a Venezuela, a Nicarágua e também a Bolívia".

No domingo, o governo uruguaio anunciou que vai sediar nesta quinta-feira, juntamente com a União Europeia (UE), a reunião inaugural do Grupo Internacional de Contato com a Venezuela, cuja primeira instância, em Montevidéu, "será realizada em nível ministerial".

Em 31 de janeiro, a UE decidiu levar adiante a criação deste grupo de contato, com o objetivo de promover as condições para um "processo político e pacífico que permita aos venezuelanos determinar seu próprio futuro, através da realização de eleições livres, transparente e credível, em consonância com a Constituição do país", de acordo com a declaração conjunta emitida pelos anfitriões da reunião.

O grupo de contato será composto por oito países da UE: Alemanha, Espanha, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido e Suécia, e latino-americanos, Bolívia, Costa Rica, Equador e México, que se juntam ao Uruguai.

Em 23 de janeiro, Guaidó, proclamou-se "presidente encarregado" do país. Já o líder venezuelano Nicolás Maduro descreveu a declaração de Guaidó como uma tentativa de golpe de estado e culpou os EUA por orquestrá-la.

Vários países do continente americano, com os EUA à frente, ignoraram Maduro e expressaram seu apoio a Guaidó. Por sua parte, Cuba, Bolívia, Rússia, China, Irã e Turquia expressaram seu apoio a Maduro.

Na segunda-feira, 16 Estados-membros da UE expressaram seu agradecimento a Guaidó – vários deles participarão da conferência de Montevidéu.

Canadá descarta intervenção militar

O Canadá rejeitou totalmente a possibilidade de uma intervenção militar na Venezuela, disse em uma entrevista coletiva a ministra canadense de Relações Exteriores, Chrystia Freeland, depois que o Grupo de Lima se reuniu em Ottawa e emitiu uma declaração sobre a Venezuela.

"Eu li o ponto 17 de nossa declaração, que fala sobre a importância de um processo de transição política usando meios políticos e diplomáticos sem o uso de força ou coerção", disse Freeland a repórteres nesta segunda-feira. "O Canadá absolutamente descarta a intervenção militar".

Por outro lado, autoridades dos EUA disseram repetidamente que todas as opções estão em discussão em relação à crise na Venezuela.

Em outro ponto da declaração, o Grupo de Lima pediu aos militares venezuelanos que reconheçam Guaidó como presidente interino do país.

"Estamos, de fato, convocando as Forças Armadas da Venezuela ao apelarmos a todos os venezuelanos e pedimos a todos os governos do mundo que reconheçam Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela", destacou Freeland.

Além disso, os membros do grupo e Guaidó discutiram os esforços para reconstruir e restaurar a economia do país, acrescentou Freeland.

"Dedicamos muito do nosso tempo hoje a falar sobre como o Grupo de Lima e a comunidade internacional podem apoiar a eventual reconstrução e reconstrução da Venezuela", ponderou Freeland a repórteres na segunda-feira.

"Ouvimos de especialistas em economia, também ouvimos de representantes do presidente interino, Juan Guaidó, sobre os planos muito avançados que a oposição tem", complementou.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse no começo da reunião que Ottawa planejava fornecer US$ 53 milhões em ajuda humanitária para apoiar o povo da Venezuela.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas