Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Inteligência artificial de drones chineses poderia provocar guerra acidentalmente?

A China está desenvolvendo drones militares que poderiam liderar o desenvolvimento de tecnologias com inteligência artificial, além de provocar uma guerra acidentalmente, aponta relatório.


Sputnik

Pequim desenvolveu um drone bombardeiro desconhecido, além de um drone de combate furtivo, que seria capaz de atacar sem a necessidade de pressionar qualquer botão, conforme publicação do Daily Mail


Drone chinês Wing Loong
Drone chinês Wing Loong © Sputnik / Sergey Mamontov

A tecnologia do drone funcionaria "simplesmente como o cérebro de um humano" em tempos de guerra, segundo pesquisa realizada pelo Centro para uma Nova Segurança Americana.

"Oficiais chineses expressaram preocupação que o uso excessivo de sistemas de inteligência artificial causaria percepções errôneas e intensificação de conflitos intencionais", afirma o relatório.

Além disso, muitas autoridades chinesas acreditam que a elevada utilização de inteligência artificial seja inevitável e que esteja avançando descontroladamente.

O relatório também afirma que a utilização excessiva de inteligência artificial no mercado global de armas pode vir a provocar uma corrida de armas inteligentes.

Segundo Zeng Yi, diretor de uma empresa chinesa de defesa, mencionou que futuramente, nas guerras inteligentes, o sistema de inteligência artificial trabalhará apenas através do cérebro humano, ou seja, a supremacia da inteligência será fundamental para uma futura guerra.

Recentemente, a China revelou seu drone bombardeiro, que completou seu primeiro voo. O Wing Loong I-D, um drone de combate e espião, pode transportar mais de 10 tipos diferentes de armas, além da sua capacidade de voar 35 horas sem reabastecer.

Há também o Blowfish A2, um helicóptero drone, que possui uma AK-47, entre outras armas, para elevar seu poder de fogo e o drone de combate furtivo, Rainbow-7, que pode atingir uma velocidade maior do que 800 km/h a uma altura de 13.000 metros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas