Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

Jornal espanhol deixa remorso de lado e elogia Divisão Azul que lutou por Hitler

Um jornal espanhol publicou um artigo elogiando o "heroísmo" de voluntários que lutaram por Adolf Hitler contra a União Soviética na Segunda Guerra Mundial. O artigo destaca apenas as dificuldades que eles enfrentaram, e não se incomoda em contar toda a história.


Sputnik

O texto foi publicado por um dos principais jornais do país — o ABC — no início de fevereiro. Ele veio logo antes do aniversário da principal batalha da Segunda Guerra Mundial na Espanha. Não, a Espanha não participou do conflito — mas seus voluntários o fizeram.


O líder da Alemanha nazista Adolf Hitler e o generalissimo Francisco Franco na fronteira franco-espanhola em 23 de outubro de 1940
Generalíssimo Franco e Adolf Hitler © AFP 2018

A Divisão Azul — batizada com o nome de camisas azuis do movimento falangista do ditador Francisco Franco — era oficialmente conhecida como a 250ª Divisão de Infantaria da Wehrmacht, da Alemanha nazista. Foi criada em 1941 como uma unidade voluntária, para mostrar a devoção da Espanha à causa de Hitler sem atrair abertamente o país para a guerra.

A designação de 'divisão' é bastante enganadora e minimiza a escala da participação da Espanha. Pelo menos 47.000 espanhóis serviram ao longo dos anos como a unidade teve numerosas rotações e reforços.

O artigo do ABC centra-se na Batalha de Krasny Bor, um episódio da Operação Estrela Polar, em grande parte mal-sucedida, quando o Exército soviético tentou empurrar as forças de ocupação para longe de Leningrado (atual São Petersburgo) sitiada no início de 1943.

Enquanto o ataque falhou na maioria das direções, em um deles os soldados soviéticos enfrentaram a Divisão Azul. O artigo elogia o "heroísmo" da divisão, com destaque para as condições climáticas adversas e a logística ruim que os espanhóis tiveram de suportar para "defender" o assentamento de Krasny Bor, nos arredores da cidade de Leningrado e parar "38 batalhões de Stalin", como o artigo coloca.

Os espanhóis conseguiram resistir ao ataque, apesar de estarem em desvantagem e em menor número. A divisão, no entanto, acabou perdendo o assentamento de Krasny Bor e sofreu pesadas baixas, mas isso não ajudou a ofensiva soviética que havia parado.

A Operação Estrela Polar soviética foi em grande parte um fracasso e o Cerco de Leningrado continuou por mais um ano. No geral, o cerco custou a vida de pelo menos 650 mil civis, mas alguns historiadores acreditam que o número poderia ser duas vezes maior. Nenhum desses fatos é mencionado no artigo.

A unidade de voluntariado espanhola acabou por ser desmantelada em 1943. Os falangistas mais ferrenhos, no entanto, estavam ansiosos para continuar lutando e um grupo menor de voluntários, a Legião Azul, foi formada e tomou o lugar da Divisão Azul. Os últimos espanhóis entre as fileiras alemãs lutaram até o final da guerra e participaram da Batalha de Berlim.

Essa abordagem unilateral da Divisão Azul não é novidade na Espanha. A história da participação espanhola na guerra de Hitler contra a União Soviética não foi esquecida ou condenada por qualquer meio — apenas varrida para debaixo do tapete um pouco depois da derrota do nazismo.

Muitos veteranos da divisão desfrutaram de carreiras bem-sucedidas com o Exército espanhol e ocuparam altos cargos militares — e alguns até desfrutaram de aposentadorias da Alemanha não-nazista muito depois da guerra.

Os monumentos para os mortos da Divisão Azul permanecem erguidos, ruas em muitas cidades levam seu nome, os últimos membros sobreviventes dão orgulhosamente entrevistas, e a mídia fica nostálgica a respeito, concentrando-se nas dificuldades enfrentadas pelos valentes espanhóis na nevada e distante Rússia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas